Economia

Exportação de aço tem alta de 40% em 2015

Setor fechou 2015 com recorde de exportações; embarques de aço somaram 13, 7 milhões de toneladas.
Agência Estadão16/01/2016 às 08h43

O setor siderúrgico fechou 2015 com um volume recorde de exportações, revelando o esforço das companhias para driblar a fraca demanda no mercado doméstico. Os embarques de aço somaram 13, 7 milhões de toneladas, alta de 40,3% em relação ao ano anterior, segundo dados inéditos do Instituto Aço Brasil. Mesmo enviando mais toneladas para fora do País, as usinas amargaram um recuo de 3,3% na receita com vendas ao exterior, para US$ 6,6 bilhões. Isso indica que a estratégia de recorrer ao mercado externo para desovar estoques e evitar a paralisação de equipamentos pode ter pouco fôlego.

De acordo com o Aço Brasil o salto no montante vendido fora do País reflete, principalmente, operações entre companhias para fornecimento de produtos semiacabados a usinas na Europa e nos EUA, e, também, ações emergenciais do setor para evitar redução ainda maior do grau de utilização da capacidade instalada.

Em meio à recessão econômica, o setor registrou em 2015 queda de 16,1% nas vendas ao mercado doméstico em 2015. Foram 18,2 milhões de toneladas vendidas, volume 6,2 milhões inferior ao recorde histórico de 2013. A produção de aço bruto somou 33,2 milhões de toneladas em 2015, retornando ao patamar de 2010. Ao fim do ano as siderúrgicas operavam a 68,7% de sua capacidade, abaixo da média global.

A estratégia de resistência via exportação tem esbarrado no excedente de 700 milhões de toneladas de aço no mundo e na feroz competição com o aço chinês, que derrubou os preços do aço no mercado internacional. Diante do ganho marginal com os embarques, algumas companhias já recuaram. Um exemplo é a Usiminas, que optou por desativar a fabricação primária de aço na usina de Cubatão (SP), voltada à exportação. A situação financeira da companhia é considerada preocupante.

"Quando você tem um resultado negativo (em dólares) significa que só está exportando para não parar máquinas e manter empregos Não há como continuar embarcando volumes expressivos sem margem", diz o presidente executivo do Instituto Aço Brasil, Marco Polo de Mello Lopes.

A ArcelorMittal Brasil exporta hoje 60% de sua produção, ante 20% em 2013. Em julho de 2014, a siderúrgica religou o alto-forno 3 da usina de Tubarão, em Vitória (ES), retomando a capacidade plena de produção de 7 milhões de toneladas anuais de planos. "Estamos exportando tudo que não conseguimos vender no mercado interno, mas a margem é praticamente zero",diz o presidente da companhia no País, Benjamin Baptista Filho.

As siderúrgicas vêm pedindo ajuda ao governo. Um dos pleitos é o aumento da alíquota do imposto de importação de aço.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte