Av. Tancredo Neves

Moradores bloqueiam avenida esburacada de acesso ao Socorrão II

Protesto é por tempo indeterminado e eles prometem liberar a via somente quando os gestores públicos iniciarem os reparos no local; há muitos anos não há obras na avenida, que dá acesso a pelo menos dois hospitais
05/09/2015
Galhos de árvores foram colocados na Avenida Tancredo Neves, impedindo a passagem de veículos

Moradores da área do Jardim Tropical interditaram a Avenida Tancredo Neves, naquele bairro, em protesto contra as condições da via, que está tomada por buracos. A avenida que separa o bairro Cidade Operária, em São Luís, do bairro Jardim Tropical, em São José de Ribamar, é uma importante alternativa para os moradores da região e também para a população em geral, pois também é um dos principais acessos para hospitais da região, entre eles o Socorrão II.

O bloqueio feito com galhos de árvores, pedaços de madeira e outros materiais foi montado em três pontos da avenida ainda na tarde de quinta-feira, dia 3. Com os bloqueios, somente motociclistas estão conseguindo passar e somente por cima das calçadas.

Essa foi a terceira vez que a avenida foi bloqueada. O protesto anterior aconteceu no início de junho. Segundo os moradores da região, dessa vez é por tempo indeterminado e, diferentemente das outras vezes, o tráfego só será liberado depois que se iniciarem os reparos necessários.

Hoje, a avenida está tomada por crateras, que dificultam muito a passagem de veículos. Os prejuízos são principalmente para quem precisa transportar alguém para o Hospital do Servidor e para o Hospital Dr. Clementino Moura, o Socorrão II. Além disso, os buracos provocam lentidão na via. Com isso, bandidos aproveitam para abordar os motoristas e cometer assaltos, segundo os moradores do local.

Responsabilidade - Os moradores da região cobram ações urgentes na avenida. De acordo com Mário Mendes, que mora há 30 anos no bairro, o último serviço foi realizado no local há muitos anos. Agora que o período chuvoso passou, restou lama e muita poeira e outros problemas para as pessoas. "Alguns carros estão passando por cima da calçada e para quem é comerciante, a venda caiu muito. Nenhum cliente quer passar aqui e, muito menos, parar", destacou.

Para passar pela avenida, pedestres e motociclistas se encolhem no canto de uma calçada

A vendedora Elizabeth Nascimento Braz reclama da falta de compromisso dos gestores locais não só com a Av. Tancredo Neves, mas também com outras questões do bairro, como a coleta de lixo. Paralelo à avenida, uma rua estava se transformando em um lixão. Os próprios moradores limparam a área e a transformaram em uma feira improvisada para evitar o acúmulo de lixo. "Isso prejudica demais a população. O prefeito tem que resolver logo isso. Ele não pode deixar a população ao léu desse jeito", disse.

Motociclistas passam por cima de calçada para atravessar avenida interditada

Caso os gestores públicos não tomem providência dentro dos próximos dias, os moradores prometem interditar também a MA-202, a Estrada de Ribamar. O Estado entrou em contato com a Prefeitura de São José de Ribamar para obter informações sobre o caso.
Em nota, o Município informou que a avenida corta os territórios dos municípios de São Luís e São José de Ribamar. No ano passado, a Prefeitura ribamarense executou serviços de recuperação da via, incluindo trechos pertencentes à capital.

A nota informou ainda que a recuperação de trechos da avenida, pertencentes a Ribamar, é prioridade no cronograma de ação da Prefeitura. O trabalho será iniciado tão logo o Governo do Estado libere recursos, fruto do programa Mais Asfalto, que serão destinados a São José de Ribamar para este fim, conforme já acertado entre a administrações estadual e municipal.

Alguns carros estão passando por cima da calçada e para quem é comerciante, a venda caiu muito. Nenhum cliente quer passar aqui e, muito menos, pararMário Mendes, morador

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte