Não "decolou"

Obras de ampliação do aeroporto de São Luís estão apenas 10% concluídas

Iniciada há um ano, reforma do terminal não avançou e está sendo revisto o cronograma com a empresa contratada
19/08/2015
Obra de ampliação do aeroporto de São Luís, que foi iniciada há um ano, é realizada a passos lentos (aeroporto)

Apesar de estarem sendo realizadas desde agosto do ano passado, apenas 10,41% dos serviços de ampliação do Aeroporto Hugo da Cunha Machado, em São Luís, foram concluídos até junho deste ano, conforme a última avaliação feita pela direção nacional da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). Atualmente, estão em execução as obras de montagem das estruturas metálicas do terminal de passageiros.

Questionada por O Estado, a Infraero informou que, como foi detectada baixa execução do contrato, está sendo revisto o cronograma com a empresa contratada. Os serviços de ampliação do aeroporto compreendem a instalação de quatro módulos operacionais: de embarque (a ser instalado ao lado do antigo prédio da administração), de desembarque (ao lado do atual terminal de passageiros), check-in (na frente do antigo prédio administrativo) e check-out (atrás do antigo prédio da administração).

De acordo com a Infraero, com o término dos serviços de ampliação, a área do terminal de passageiros do aeroporto de São Luís passará dos atuais 6,2 mil metros quadrados para 11,1 mil metros quadrados, ampliando - desta forma - a capacidade de passageiros dos atuais 3,4 milhões (considerando embarques e desembarques) anualmente para 5,9 milhões passageiros por ano.

Caso seja mantida a previsão orçamentária oficial das obras, a ampliação do Aeroporto Hugo da Cunha Machado deverá custar aproximadamente
R$ 25 milhões.

Reincidência - Essa não é a primeira vez que são registrados problemas em obras no aeroporto de São Luís. No ano passado, a empresa Marcozzi Construções Ltda., que até então executava a ampliação do aeroporto, rescindiu contrato com a Infraero, o que provocou a paralisação dos serviços.

À época, a Infraero alegou que a empresa Marcozzi não cumpriu os prazos previstos no cronograma inicial das obras. Já a empresa, por sua vez, alegou na ocasião não dispor de "reserva financeira" para a execução dos trabalhos. Para dar continuidade às obras, a Infraero, ainda no início do segundo semestre do ano passado, abriu novo procedimento licitatório para a escolha de uma nova empresa.

Em março de 2011, após serem constatados problemas na cobertura do terminal de passageiros, o Aeroporto Marechal Hugo da Cunha Machado foi interditado e, para a manutenção dos voos, os embarques e desembarques passaram a ser feitos, de forma improvisada, nas instalações da antiga sede do terminal e com a colocação de tendas.

A mudança, na ocasião, não foi bem recebida pelos usuários do aeroporto, que reclamavam constantemente da falta de "conforto" na estrutura. O fato motivou inclusive um pedido do Ministério Público Federal no Maranhão (MPF), que solicitou, junto à Justiça Federal, a suspensão integral da cobrança da taxa de embarque no aeroporto.

Em resposta, no dia 27 de agosto de 2012, a Infraero entregou a reforma do Aeroporto de São Luís. Na ocasião, foi feita - entre outros serviços - a duplicação da área de embarque e expandida em 20% a área útil da sala de desembarque.

NÚMERO
R$ 25 milhões
é a previsão dos custos de ampliação do Aeroporto de São Luís

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2018 - Todos os direitos reservados.