Reforma urgente

Falta de conservação compromete o Centro de Saúde Dr. Paulo Ramos

Vários problemas identificados no prédio da unidade de atendimento ambulatorial, que funciona no centro de São Luís, expõem pacientes a riscos de acidentes e mostram a necessidade de uma reforma urgente no local
23/05/2015
Fachada do Centro de Saúde Dr. Paulo Ramos, que precisa de uma reforma urgente para atender a população-Flora Dolores

A história do Centro de Saúde Dr. Paulo Ramos remonta à década de 1940, quando começou a ser construído o prédio que abriga a unidade de saúde. Décadas depois, o que se vê é a falta de conservação do imóvel, onde são atendidas diariamente centenas de pessoas. Fios ligados à rede elétrica expostos, limo nas paredes e outras situações surpreendem quem vai ao local em busca de atendimento ambulatorial.

Localizado no centro da cidade, a unidade de saúde tem grande importância para a população que reside ou frequenta a região, mas a estrutura não está adequada ao funcionamento de um posto de saúde. Logo na porta é possível perceber a necessidade de uma reforma. As paredes estão com o reboco caindo, algumas grades estão enferrujadas e de um dos toldos laterais só restou o suporte. Além disso, algumas paredes foram alvo de pichadores.

Cadeiras com estofados rasgados e limo nas paredes no centro de saúde

Ao adentrar a unidade, a situação é mais grave: há infiltrações nas paredes internas e, na área que dá acesso à sala de vacinação, os problemas são muitos. As cadeiras dispostas ao lado da sala estão com os estofados rasgados.

Como muitos aparelhos de ar-condicionado estão sem a água canalizada e o sol não incide em todas as paredes, elas estão úmidas e tomadas por muito limo. Em algumas, já começam a crescer plantinhas. Além disso, a porta do banheiro disponível para os usuários está toda quebrada.

Riscos - No entorno da sala de vacinação, por onde transitam muitas pessoas, os usuários podem sofrer um acidente facilmente. Em cima das cadeiras, parte do teto, que é de laje, está caindo. A situação demonstra que há um grande risco para as pessoas. Além disso, a fiação elétrica do bebedouro está exposta. Como passam muitas crianças pelo local, a possibilidade de um acidente grave é real.

Também há riscos de alguma pessoa torcer o tornozelo ou quebrar o pé, porque há um buraco no chão. O buraco não está sinalizado e o trânsito continua livre pela área onde ele está localizado. Com a vacinação contra a gripe ocorrendo, muitas pessoas se dirigiram até o centro de saúde.

Na parede coberta de limo, a fiação do bebedouro está exposta e pode causar acidentes no local

A empregada doméstica Ângela Maria dos Santos foi ao local ontem acompanhando a mãe e ficou estarrecida com a situação da unidade de saúde. "Eu nunca tinha vindo nessa área. Fiquei assustada, porque está tudo sujo. Para falar a verdade, fiquei com nojo. Até no meu bairro, na Vila Embratel, é tudo muito mais limpo que aqui", afirmou.

A dona de casa Marluce Barbosa também reprovou as condições em que o centro está funcionando, principalmente pelo risco que apresenta para as crianças. "A gente foi procurar água para beber e o que tinha era um fio para fora. Vai que alguma criança pega nesse fio e toma um choque. Só assim vão arrumar tudo", disse.

O Estado entrou em contato com a Prefeitura de São Luís para obter informações sobre o centro de saúde e em nota, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) informou que o projeto de reforma do Centro de Saúde Paulo Ramos já está finalizado e que as obras de recuperação fazem parte do cronograma de obras da Secretaria previstas para o segundo semestre deste ano.

PROBLEMA ANTIGO

Em fevereiro do ano passado, O Estado esteve no Centro de Saúde Paulo Ramos e já encontrou no local diversos problemas de infraestrutura. As paredes já estavam descascadas e o limo e as infiltrações ocupam algumas delas. Na época, o Município foi procurado e, em nota, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) informou que "tem como objetivo oferecer um serviço de qualidade a todos, por isso toda a atenção da Secretaria está voltada para estabelecer melhorias em toda a rede. Neste primeiro momento, a Semus tem buscado o esvaziamento dos Socorrões I e II. Questões pontuais como relatadas no Centro de Saúde Paulo Ramos também estão no planejamento da Semus, que afirmou que toda a rede de saúde municipal está sendo abastecida com insumos médicos, não ocorrendo a falta de medicamentos e material". Passado mais de um ano, nada foi feito pelo centro de saúde que atende ao centro de São Luís.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte