CEMESP

Pacientes não conseguem marcar consultas no Cemesp

Suspensão da marcação para especialidades médicas e exames revolta os usuários
14/05/2015

Pacientes do Centro de Medicina Especializada (Cemesp), no Bairro de Fátima, ainda enfrentam dificuldades para marcar consultas e exames na unidade de saúde. Na semana passada, cartazes colados na porta do prédio informavam que a marcação de consultas e exames estavam suspensos. Apesar de o Governo do Estado ter informado, por meio de nota, que cartazes foram colocados sem a autorização da direção, quem busca atendimento ainda não consegue marcar exames e consultas.

Na semana passada, quem buscava o centro tinha uma surpresa desagradável logo na entrada do prédio. Um dos avisos impressos informava que as marcações de vários exames estavam suspensas entre os dias 4 e 8, de segunda a sexta-feira. No total, foram seis exames com marcação interrompida: retinografia simples, fotocoagulação a laser, retinólogo, mapa, cardiograma e teste ergométrico. Outro cartaz informava que a marcação de todas as consultas para o dia 8 estava suspensa.

Depois de questionado, o Governo do Estado informou, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), que nenhum atendimento foi suspenso no Centro de Medicina Especializada. A nota informava ainda que foram fixados cartazes na entrada da unidade sem a autorização da diretoria da Cemesp e que a diretoria já havia retirado os cartazes e a SES instaurado sindicância interna para apurar o que ocorreu.

Dificuldade – Apesar do comunicado oficial, a situação é bem diferente conforme contam os pacientes do centro. A pensionista Valdeneire Costa Santos é uma das pacientes que precisa fazer uma consulta de retorno ao cardiologista, mas não consegue, pois não há médico. “Enquanto espero, estou tomando a medicação que o médico passou na última vez que eu consultei. Sem médico, também fico sem receita do remédio. Eu podia pegar o remédio na farmácia popular de graça, mas não posso sem receita”, ressaltou.

A pensionista é paciente do Cemesp desde dezembro de 2011. A dificuldade para marcar consulta agrava seu quadro clínico, o que, segundo ela, é uma falta de respeito com a saúde da população. “Eles dizem que o médico está chegando, que vai chegar no dia 10, depois no dia 15. Acho que esses médicos estão vindo de tartaruga. Depois que mudou de governo, mudou tudo e para pior”, afirmou.

Referência - O Cemesp, antigo Hospital Riod, foi inaugurado em setembro de 2011 para funcionar como centro de referência estadual em diabetes e hipertensão, e oferta suporte médico nas áreas de cardiologia, endocrinologia, nefrologia, gastroenterologia, oftalmologia, odontologia, nutrição, pneumologia e outras. O centro oferece exames de patologia clínica (incluindo histopatologia), ecocardiograma, ergometria, espirometria, mapa, ecodopller, ultrasonografia, densitometria, cintilografia, punção tireóide, exame de baropodômetro, fotocoagulação a laser e retinografia simples.

De acordo com os pacientes que se sentem prejudicados, até o ano passado, o Cemesp era referência no atendimento a pacientes com diabetes e hipertensão. Mas com a nova gestão pública, o atendimento está precário. Apenas serviços básicos continuariam sendo ofertados. Mas a visita regular a especialistas é de fundamental importância para os pacientes de hipertensão e diabetes.

O Estado entrou em contato com o Governo do Estado, mas não obteve resposta até o fechamento desta edição.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

© 2019 - Todos os direitos reservados.
Tamanho da
Fonte