COMARH 2022

Liderança humanizada gera mais engajamento e produtividade

Longe de ser bonzinho, esse tipo de liderança leva em consideração as emoções, os pensamentos e sentimentos das pessoas.

Imirante.com

Paulo Alvarenga ministrou a palestra magna de encerramento do XII Congresso Maranhense de Recursos Humanos
Paulo Alvarenga ministrou a palestra magna de encerramento do XII Congresso Maranhense de Recursos Humanos (Matheus Soares)

SÃO LUÍS - A palestra magna "Liderança humanizada gera performance e bem-estar", ministrada por Paulo Alvarenga, CEO e Fundador da Mastersoul, empresa de consultoria especializada, encerrou nesta quinta-feira, 15, a programação do XII Congresso Maranhense de Recursos Humanos – COMARH 2022, realizado no Multicenter Eventos e Negócios. 

Com mais de 15 anos de experiência no mercado de liderança, atuando como mentor, palestrante, e treinador, Paulo Alvarenga ressaltou a importância da liderança humanizada em uma organização. A palestra foi mediada por Juliana Guedes, diretora da ABRH-MA e também psicóloga especializada em desenvolvimento humano, educação corporativa e produtividade consciente.

Paulo Alvarenga é bem direto quando conceitua liderança humanizada. “Falar de liderança humanizada não é ser bonzinho, mas levar em consideração as emoções, os pensamentos e sentimentos das pessoas e ter um nível de exigência para trazer resultados, ou seja, buscando-se criar um ambiente psicologicamente saudável gerando aprendizado e alta performance.

Segundo ele, as empresas estão buscando muito a questão da gestão humanizada, apesar de que ainda exista a ideia de que esse processo é sinônimo de ser bonzinho. Mas no momento em que as pessoas sentirem sendo elas mesmas, podendo expressar suas opiniões e ideias e terem sentimento de pertencimento, há ganhos para colaboradores e empresa. 

Agora, diz Paulo Alvarenga, se no âmbito da organização persistirem práticas antigas, de comando e controle, e ambientes de bullying e sarcasmos, as pessoas não poderão ser as mesmas, elas se enquadram e vão funcionar no nível da performance mediana.

Nesse contexto, segundo Paulo Alvarenga o papel do líder é essencial, pois ele cria a cultura e a estratégia da empresa. “O líder tem que ter um propósito muito forte, tem que criar expectativas nas pessoas, no sentido de despertar motivação, vontade de pertencer e trazer resultados”, analisa.

Tem que expandir a nossa consciência no ambiente da empresa, de aprofundar o autoconhecimento. “O problema é que as pessoas têm medos, como acessar as dores, reconhecer que talvez não tenham algumas competências. Mas é partir dai que nós começamos uma evolução como seres humanos. Então temos que expandir a nossa mente pra todos e para o que virá pela frente”, ressalta.

Para concluir, deixou mensagem aos líderes de que criem alinhamento constante com seus liderados, maximizem a comunicação, desencadeiem uma motivação na organização, desenvolvam novas capacidades, como inteligência emocional, pensamento sistêmico e mente analítica; e por fim compartilhem conhecimento. Assim, se cria um ambiente com as pessoas, resultando em mais engajamento. 

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.