Covid-19

Mical afirma não acreditar em eficácia de vacinas contra a Covid-19

Deputada estadual afirmou ao programa O Que Interessa, da rádio Mirante FM, que a decisão de não ter se vacinado é de foro íntimo e assegurou jamais ter feito campanha contra a vacinação.

Ronaldo Rocha / Núcleo de Política

- Atualizada em 26/03/2022 às 18h23
Mical Damasceno presidiu sessão na Assembleia na terça-feira
Mical Damasceno presidiu sessão na Assembleia na terça-feira (Reprodução/TV Assembleia)

SÃO LUÍS - A deputada estadual Mical Damasceno, do PTB, afirmou na última quarta-feira ao programa O Que Interessa, da rádio Mirante FM, não acreditar na eficácia das vacinas contra a Covid-19.

Ela ponderou, contudo, que jamais fez campanha contra a vacinação, não descartou se submeter aos imunizantes e assegurou que todos os seus assessores de gabinete estão vacinados.

Mical não se vacinou até o momento contra a Covid-19, e o fato de ela ter presidido parte da sessão ordinária da Assembleia Legislativa de terça-feira (8), ganhou forte repercussão e protestos nas redes sociais.

Apesar de não estar vacinada contra a Covid-19, Mical Damasceno tem livre acesso ao prédio da Assembleia Legislativa - que hoje exige o passaporte vacinal a servidores e deputados -. Ela precisa, tão somente, apresentar semanalmente teste negativo para o vírus, como determina resolução interna da Casa.

"[...] Então minha gente eu nunca publicizei isso, o fato de eu ter resolvido, decidido não tomar, quem divulgou isso foi a própria imprensa, foram vocês. Mas eu não faço nenhum tipo de política ou campanha antivacina, apenas é um direito meu pessoal e decidi ainda, até o momento, não vacinar. Eu não estou aqui dizendo e afirmando que não vou me vacinar, mas até agora eu não senti a vontade de me vacinar", disse.

E completou: "Eu aqui trabalho com os meus assessores que são vacinados e assim eu acho que a gente deve se prender a outros assuntos mais importantes porque essa questão aí dessa obrigatoriedade de passaporte, eu não comungo, nada funciona obrigado, e através dos exames, do PCR, há exigência em alguns setores públicos, para a gente acessar. Mas é esse o nosso ponto de vista e a nossa decisão que a gente vai aguardar mais um pouco porque acreditamos que neste momento essa vacina não tem eficácia nenhuma é apenas um experimento. A gente vai esperar ainda melhorar mais, né. Essa é a nossa decisão, ok?! Deus abençoe", finalizou.

Saiba Mais

Um projeto de lei de autoria do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Othelino Neto (PDT), institui o passaporte vacinal em todo o Maranhão.

No início da semana, Othelino apresentou um requerimento de urgência, para acelerar a tramitação. O requerimento pode ser apreciado nesta quinta-feira (10).

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.