Aedes aegypti

Maranhão registra 1.100 casos de dengue desde janeiro de 2021, diz SES

Nenhuma morte foi confirmada neste ano no Maranhão.

Imirante.com

- Atualizada em 27/03/2022 às 11h01
Doenças são transmitidas pela picada do mosquito Aedes aegypti
Doenças são transmitidas pela picada do mosquito Aedes aegypti (Foto: Divulgação)

SÃO LUÍS - Desde o início deste ano de 2021 até o momento, 1.100 casos de dengue foram registrados em todo o Maranhão, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES).

Deste total, 104 foram registrados em São Luís. A SES informou ainda que houve, no mesmo período, no Estado, 98 casos de chikungunya e 52 de zika vírus. No que se refere a São Luís, foram 15 casos de chikungunya e mais de 20 de zika.

Nenhuma morte foi confirmada neste ano no Maranhão por estas doenças.

No ano passado, Estado registrou 1.721 casos de dengue, 100 de chikungunya e 85 de zika vírus. Cinco pessoas morreram após contraírem dengue e duas, com chikungunya.

Dengue

A transmissão da dengue se dá pelo mosquito Aedes aegypti, por meio de quatro sorotipos ou vírus (1, 2, 3 e 4) que estão em circulação no país. A intensidade de circulação é alternada e os surtos da doença costumam ocorrer quando há mudança na circulação. Existem dois tipos de dengue, a comum e a hemorrágica que é o tipo mais forte da doença.

Segundo o boletim médico do Ministério da Saúde, entre os principais sintomas estão febre alta (acima de 38º), dores musculares intensas, dor ao movimentar os olhos, mal estar, falta de apetite, dor de cabeça e manchas vermelhas pelo corpo.

O diagnóstico é feito por um médico por meio de exames laboratoriais. Caso apresente algum desses sintomas, é importante procurar um serviço de saúde para diagnóstico e tratamento adequado. O Sistema Único de Saúde (SES) oferece tratamento gratuito para a doença.

Zika vírus e chikungunya

Já a zika também é transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, por meio de relação sexual. Em mulheres gestantes, a infecção atinge os fetos que podem nascer com microcefalia. Entre os sintomas estão vermelhidão e coceira pelo corpo, febre baixa, conjuntivite sem secreção, dor nas juntas e dor de cabeça.

Como se prevenir

Como forma de combater a infestação do mosquito transmissor, além do suporte das autoridades, o cidadão também pode eliminar os focos ao adotar as estratégias de combate ao mosquito. Veja abaixo:

- Colocar areia nos vasos de planta ao invés de água. Nos que tiverem água, limpar bem com uma escova e sabão, só tirar a água não adianta;

- Não jogar lixo e entulho em locais sem coleta;

- Limpar calhas d'água;

- Não deixar água parada em garrafas, tampas, baldes, bacias, pneus;

- Tampar a caixa d'água;

- Uso de repelentes;

- Colocar água sanitária nos ralos.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.