Covid-19

Com pandemia ainda fora de controle, gestores precisam de respostas econômicas

diante da crise sanitária, o setor econômico também pede socorro devido as medidas restritivas iniciadas em março deste ano

Gilberto Léda/Da Editoria de Política

- Atualizada em 27/03/2022 às 11h03
Ex-governadora Roseana Sarney fez observação nas redes sociais sobre a necessidade de um pacote de medidas para o setor econômico
Ex-governadora Roseana Sarney fez observação nas redes sociais sobre a necessidade de um pacote de medidas para o setor econômico (Foto: Reprodução/TV Mirante)

SÃO LUÍS - Desde o início da pandemia do novo coronavírus, ainda no ano passado, tem-se levantado um debate infrutífero sobre o que é mais importante: a saúde, a vida das pessoas, ou a economia.

Está claro, um ano depois, que ambos são imprescindíveis. E que, na verdade, complementam-se. Como garantir saúde a uma população empobrecida, sem ter dinheiro para comer, por exemplo? E, de outro lado, como manter a economia girando, a produção em alta, com uma população doente?

Não existe outro caminho: há que se cuidar das vidas, isso é imprescindível, mas também não se pode deixar a economia ir para o buraco.

E, por isso, foram tão pertinentes, nos últimos dias, intervenções da ex-governadora Roseana Sarney (MDB) e do governador Flávio Dino (PCdoB) nesse debate.

Nas redes sociais, a emedebista defendeu que o atual governador lance um pacote de ajuda ao setor empresarial do estado, enquanto vigorarem medidas restritivas à atividade econômica em território maranhense por conta da pandemia da Covid-19. Segundo ela, o setor é um dos que mais sofrem e, por consequência, puxam para baixo várias categorias de trabalhadores que dependem da sua saúde financeira.

“Não é de hoje que peço atenção sobre a necessidade de um pacote de ações com políticas fiscais mais flexíveis, com prorrogação e redução de impostos, novas linhas de crédito, renegociação de dívidas e auxílio para manutenção de empregos. Ações como estas precisam ser implementadas pelo Governo do Maranhão com urgência, como forma de socorro ao empresariado maranhense. Existem diversas ações necessárias e possíveis”, afirmou.

Leia também:

Maranhão na pandemia em 2021 é diferente do que foi em 2020

Covid-19: corrida por vacina no Maranhão

Também na quarta, Dino anunciou pelo menos mais uma medida favorável às empresas: a concessão de maior prazo para pagamento de ICMS.

Antes, ele havia anunciado pagamento de auxílio de R$ 1 mil para donos de bares e restaurantes que estão fechados há quase duas semanas como medida de prevenção à expansão da Covid-19.

Segundo o governo, 130 microempresas serão beneficiadas com o adiamento da cobrança do tributo. O imposto devido em março, por exemplo, só será pago em julho e agosto.

Como complemento, Dino ainda anunciou a antecipação do pagamento da primeira parcela do 13º salários dos servidores estaduais.

Medias que devem mitigar, de alguma forma, os efeitos danosos da crise sanitária na economia maranhense.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.