Saúde precária

Criança com meningite é mantida no corredor do Socorrão I

Segundo a Semus, a paciente já foi enviada para um leito de isolamento.

Imirante.com

- Atualizada em 27/03/2022 às 12h00

SÃO LUÍS – Uma menina de 13 anos de idade está no Hospital Djalma Marques (Socorrão I), desde segunda-feira (25), diagnosticada com Meningite. Segundo denúncias, a criança está no corredor do hospital, quando deveria estar em um leito da Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

A paciente, acompanhada do pai, segundo informações, está desorientada com rebaixamento do nível de consciência e baixa saturação de oxigênio. Ela se alimenta por meio de uma sonda nasoenteral. Por causa das dores, a criança já chegou a gritar.

Segundo nota da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), a paciente é do município de Rosário e foi diagnosticada com meningite, desde o início da tarde desta quarta-feira (27). A menina já está ocupando um leito de isolamento no Socorrão I, sendo clinicada com antibioterapia.

Ainda segundo a Semus, o atendimento precário dado a paciente no início, deve-se à superlotação do hospital, que tem 64% dos 140 leitos ocupados por pacientes procedentes do interior do Estado.

Segundo o secretário-adjunto de Vigilância em Saúde, Alberto Carneiro, o município ainda não notificou o Estado sobre o caso. Carneiro ressalta, ainda, que se o caso for confirmado, será feita uma investigação sobre o tipo de meningite na cidade de Rosário, de onde a criança é proveniente.

Veja a nota da Semus na íntegra.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semus) informa que a paciente de 13 anos, procedente do município de Rosário, clinicamente diagnosticada com meningite, desde o início da tarde está ocupando um leito de isolamento do Hospital Djalma Marques (Socorrão I). Neste momento, a paciente está sendo clinicada com antibioterapia.

A direção do Socorrão está tomando as providências de atendimento à paciente com acompanhamento do Ministério Público do Estado e informa que a paciente deverá ser encaminhada para uma unidade de terapia intensiva do estado dentro das próximas horas.

Segundo a direção do Hospital Djalma Marques, a regulação da paciente cabe ao estado, já que a paciente é procedente do interior. A direção esclarece ainda que o atendimento precário no início deve-se à superlotação do hospital que tem 64% dos 140 leitos ocupados por pacientes procedentes do interior do Estado.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter e Instagram e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.