Checagem

Ao contrário do que alega teoria conspiratória, Lula está vivo e não foi substituído por sósia

Além das aparições públicas do petista, as assessorias de imprensa do presidente eleito e de hospital afirmam que essas alegações não procedem.

Projeto Comprova

- Atualizada em 01/12/2022 às 23h36
O Comprova considera falso qualquer conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original.
O Comprova considera falso qualquer conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original. (Reprodução)

Falso

São falsas as alegações de que o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) morreu, vítima de um Acidente Vascular Cerebral (AVC), no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo. Conteúdos falsos afirmam que o político foi substituído por um sósia. Além das aparições públicas do petista, as assessorias de imprensa de Lula e do hospital afirmam que essas alegações não procedem.

Conteúdo investigado: Conteúdos com alta viralização, incluindo áudios e fotos que circulam pelo WhatsApp e vídeos no Facebook, alegam que o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) teria morrido e que essa informação estaria sendo escondida até a diplomação da chapa eleita. As postagens sugerem que seu corpo estaria sendo ocultado no Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo, enquanto um sósia cumpre a agenda do petista usando máscaras e tentando esconder o dedo mínimo. Algumas publicações chegam a usar a história para incentivar a população a participar de atos antidemocráticos, que já duram um mês, e sugerir que Lula não tomará posse como presidente da República.

Onde foi publicado: Facebook, Kwai e WhatsApp.

Conclusão do Comprova: Postagens usam diferentes teorias da conspiração para sugerir a morte do presidente eleito Lula e a existência de um acordo para que um sósia o substitua em compromissos até a diplomação. Lula fez uma cirurgia no dia 20 de novembro, mas está vivo, teve alta e cumpre agenda. A equipe médica também descarta a presença de “neoplasia”. A afirmação sobre a morte é falsa, bem como a tese de que Bolsonaro poderia assumir ou novas eleições serem convocadas, o que não tem amparo legal.

Uma agenda pública recente descarta a morte do presidente eleito. Lula foi para Brasília no domingo (27) e esteve na segunda-feira (28) na sede do Gabinete de Transição, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), para reunião com o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin (PSB). Na noite de segunda e na terça-feira (29), Lula se reuniu com lideranças do MDB, União Brasil e do PSD.

Procurado pelo Comprova, o Sírio-Libanês afirmou que não procedem as alegações de que Lula teria morrido nas dependências do hospital. No dia 20, Lula deu entrada no Hospital Sírio-Libanês para a realização de procedimento para tratar lesão na prega vocal esquerda. O procedimento mostrou ausência de tumor maligno na região. O político teve alta médica no dia seguinte.

Conteúdos falsos alegam que o petista foi substituído por um outro homem com 10 dedos. O político perdeu o dedo mínimo esquerdo em um acidente de trabalho em 1964, quando atuava como metalúrgico no ABC Paulista. As postagens utilizam foto publicada originalmente no Instagram de Rosângela da Silva, esposa do político conhecida como “Janja”, para enganar sobre a existência de um sósia de Lula. Entretanto, a foto mostra a mão direita de Lula, que possui todos os dedos, e foi feita no espelho que refletiu a imagem. Além disso, o registro foi compartilhado em outubro de 2021, quando o casal era noivo e a aliança era usada na mão direita.

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) também explicou ao Comprova que, caso um presidente eleito morrer antes da diplomação, deve ocorrer a substituição do presidente pelo vice-presidente e depois pelos presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF). Só há previsão de novas eleições no caso de vacância de ambos os casos.

O Comprova considera falso qualquer conteúdo inventado ou que tenha sofrido edições para mudar o seu significado original e divulgado de modo deliberado para espalhar uma falsidade.

Alcance da publicação: O Comprova investiga os conteúdos suspeitos com maior alcance nas redes sociais. O conteúdo está sendo replicado em diferentes redes e circula no WhatsApp. Uma das postagens no Facebook, antes de ser apagada, chegou a ter mais de 600 mil visualizações.

O que diz o responsável pela publicação: O Comprova entrou em contato com o responsável pela publicação do Facebook através de mensagem direta na rede social.

No Facebook, o perfil reagia e compartilhava informações presentes em um vídeo no Kwai que reproduz áudio do WhatsApp com as alegações falsas. O usuário afirmou que considera seu conteúdo como uma reação do que já existia.

De acordo com ele, sua intenção no momento da publicação foi “dar publicidade aos fatos para que órgãos competentes possam verificar os fatos”. Ele ainda afirmou que não sabe se as informações são verdadeiras e que apenas se preocupou como todo brasileiro.

Posteriormente, quando questionado sobre o motivo de ter excluído o vídeo, o usuário alegou: “Gosto de publicar conteúdo verdadeiro, verifiquei os comentários e percebi que muitos disseram ser Fake News, devido isso resolvi excluir”.

O conteúdo foi divulgado por uma página com mais de 9 mil seguidores. Não há postagens anteriores ao dia 30 de novembro de 2022. Conteúdos antigos foram excluídos.

Como verificamos: O Comprova buscou o boletim médico do presidente eleito que foi disponibilizado pelo Hospital Sírio-Libanês. Ele conta com a assinatura de dois médicos da diretoria do hospital e menciona outros cinco nomes de médicos da equipe que participaram do procedimento. Também entrou em contato com a equipe de Lula e se baseou em outras checagens de imagens que comprovam desinformações relacionadas às fotos que ilustram o vídeo que sugere falsamente que um sósia com 10 dedos estaria cumprindo a agenda do presidente eleito. Além disso, o Comprova também buscou imagens e notícias em que Lula cumpriu agenda com lideranças nacionais e internacionais, até mesmo com partidos que não compuseram a chapa do presidente eleito.

Lula teve compromissos públicos nos dias apontados como data de sua morte

Uma agenda pública recente descarta a morte do presidente eleito por volta do dia 20. Lula teve alta do Hospital Sírio-Libanês no dia 21, após uma cirurgia bem-sucedida de correção de uma lesão na garganta e descansou por recomendações médicas. Lula foi para Brasília no domingo (27) e esteve na segunda-feira (28) na sede do Gabinete de Transição, no CCBB, em Brasília, para reunião com o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin.

Na noite de segunda e na terça-feira (29), Lula se reuniu com lideranças do MDB, União Brasil e do PSD. A suposta morte também pode ser descartada nos casos em que se atribui a data do dia 05 de dezembro pela participação de Lula na COP 27 e encontros com lideranças mundiais. A assessoria de imprensa do presidente eleito esclareceu ainda que Lula está bem de saúde. “Ele saiu do hospital de um procedimento simples na garganta na segunda, dia 21 de novembro, como foi divulgado em boletim médico”, informou.

Hospital Sírio-Libanês atesta que Lula teve alta médica

Procurado pelo Comprova, o Sírio-Libanês afirmou que não procedem as declarações de que Lula teria morrido nas dependências do hospital. “As comunicações dos pacientes do Hospital Sírio-Libanês são feitas por meio de boletins médicos mediante a aprovação do próprio paciente ou familiares”, indicou a empresa hospitalar. Há quatro boletins-médico sobre o estado de saúde de Lula no hospital. Dois deles são de novembro deste ano.

O primeiro, publicado no dia 12, informa que o presidente eleito esteve no hospital para avaliação clínica multidisciplinar de rotina. Segundo o documento, foram realizados exames de imagens, que estão normais e seguem mostrando completa remissão do tumor diagnosticado em 2011. Um teste mostrou alterações inflamatórias decorrentes do esforço vocal e a existência de uma pequena área de leucoplasia, um tipo de lesão na laringe.

No dia 20, Lula deu entrada no Hospital Sírio-Libanês para a realização de uma laringoscopia para retirada de leucoplasia da prega vocal esquerda. O procedimento mostrou ausência de neoplasia, tumor maligno na região. O político teve alta médica no dia seguinte.

Lula não foi substituído por sósia

Fotos espelhadas, montagens e destaques enganosos de sombras em imagens de Lula são usados para sugerir que o presidente eleito estaria sendo substituído por um sósia que usa máscaras projetadas, de acordo com o conteúdo enganoso, no Projac da TV Globo. Também sugerem nessas imagens enganosas que Lula aparece com 10 dedos (o petista sofreu um acidente em 1964, quando era torneiro mecânico e não tem o dedo mínimo esquerdo).

Postagens utilizam foto publicada originalmente no Instagram de Rosângela da Silva, esposa do político conhecida como “Janja”, para sugerir a suposta existência de um sósia. A foto mostra a mão direita de Lula e foi feita diante de um espelho, que refletiu a imagem. Além disso, o registro foi compartilhado em outubro de 2021, quando o casal era noivo e a aliança era usada na mão direita.

Conteúdos falsos sobre a morte de Lula começaram a ser compartilhados após a vitória do petista nas eleições deste ano. Alegações semelhantes já foram desmentidas por diversas agências de checagem, como Boatos.org, Agência Lupa, Fato ou Fake e UOL Confere.

Diplomação

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou na terça-feira (29) que a cerimônia de diplomação de Lula e Geraldo Alckmin está marcada para às 14h do dia 12 de dezembro e marca o encerramento do processo eleitoral. O Comprova perguntou ao TSE o que acontece se um presidente eleito morrer antes da diplomação. A equipe de comunicação do Tribunal indicou que a situação é amparada pelos artigos 79 e seguintes da Constituição Federal, que prevê primeiro a substituição do presidente pelo vice-presidente e depois pelos presidentes da Câmara, do Senado e do Supremo Tribunal Federal (STF). Só há previsão de novas eleições no caso de vacância tanto do cargo de presidente como do de vice-presidente.

Por que investigamos: O Comprova investiga conteúdos suspeitos que viralizam nas redes sociais sobre pandemia, políticas públicas do governo federal e peças que questionam o resultado das eleições presidenciais. O conteúdo mente sobre o estado de saúde do presidente eleito Lula e gera desconfianças falsas sobre a conduta do político e sobre o processo democrático como um todo, inclusive dá margem para a possibilidade do atual presidente, Jair Bolsonaro, se manter no cargo ou disputa novamente o Palácio do Planalto para assumir em 2023.

Outras checagens sobre o tema: Boatos.org, Agência Lupa, Fato ou Fake e UOL Confere já desmentiram informações sobre a morte de Lula.

Recentemente, o Comprova mostrou ser falso que Lula não possa ser diplomado; que vídeo inventa declarações de Gleisi Hoffmann sobre redução de benefícios para militares no governo Lula; e que é falso que Lula tenha forjado viagem para COP 27, no Egito, e discursado em porão cenográfico.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.