Investigação

Justiça decreta prisão de bolsonarista acusado de matar petista no Mato Grosso

Acusado disse aos policiais que "acabou saindo de si".

Imirante.com, com informações da Agência Brasil

- Atualizada em 09/09/2022 às 18h16
O crime aconteceu ontem (8) em Confresa, interior de Mato Grosso.
O crime aconteceu ontem (8) em Confresa, interior de Mato Grosso. (Foto: Divulgação / Polícia Civil)

MATO GROSSO - A justiça de Mato Grosso decretou a prisão preventiva de um acusado de homicídio motivado por discussão política. O crime aconteceu ontem (8) em Confresa, interior do estado. 

De acordo com o boletim de ocorrência registrado na delegacia do município, Rafael Silva de Oliveira esfaqueou e tentou decapitar Benedito Cardoso dos Santos após a discussão ter evoluído para vias de fato. Ambos trabalhavam juntos em uma propriedade na zona rural. 

"Ao indagar o suspeito sobre a motivação do crime, o mesmo confessou que iniciou uma discussão política, a qual evoluiu para via de fato, troca de socos, que a vitima dizia que era eleitor do "Lula", o suspeito falava que era "Bolsonaro", diz trecho do documento.

Após ser preso em flagrante pela Polícia Militar, o acusado disse aos policiais responsáveis pela ocorrência que "acabou saindo de si" após ter entrado em luta corporal com o colega. 

"O suspeito afirmou que desferiu uma facada na vítima que caiu ao solo, sendo golpeada mais vezes enquanto estava caído. Confidenciou que retornou para casa, pegou um machado e desferiu um golpe na altura da garganta da vitima, terminando de ceifar-lhe a vida", diz o boletim.

A prisão preventiva de Rafael Silva foi determinada pelo juiz Carlos Eduardo Pinho, da comarca de Porto Alegre do Norte (MT). 

Segundo o magistrado, o crime ocorreu por divergências político-partidárias.

"Em um Estado Democrático de Direito, no qual o pluralismo político é um dos seus princípios fundamentais, torna-se ainda mais reprovável a conduta do custodiado. A intolerância não deve e não será admitida, sob pena de regredirmos aos tempos de barbárie. Lado outro, verifica-se que a liberdade de manifestação do pensamento, seja ela político-partidária, religiosa, ou outra, é uma garantia fundamental irrenunciável", afirmou o juiz. 

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.