REFLEXO DA PANDEMIA

Cresce número de demissões voluntárias este ano no país

Foram 2,9 milhões de pedidos de desligamentos de janeiro a maio, aumento de 32,5%.

Imirante.com

Demissões voluntárias representaram 33,4% de todos os desligamentos registrados nesses cinco meses
Demissões voluntárias representaram 33,4% de todos os desligamentos registrados nesses cinco meses (Divulgação)

BRASIL - Pesquisa realizada pela gerência de Estudos Econômicos da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan), com base nos números do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados do Ministério do Trabalho e Previdência mostra que está crescendo no Brasil o número de demissões voluntárias, ou seja, aquelas solicitadas pelos próprios trabalhadores. Foram 2,9 milhões de janeiro a maio deste ano, aumento de 32,5% em relação ao mesmo período de 2021. Essa modalidade representou 33,4% de todos os desligamentos registrados nesses cinco meses.

Segundo a psicóloga Mônica Campelo, o fenômeno da grande renúncia implicará em novas reflexões sobre a importância do trabalho versus a importância da qualidade de vida, incluindo saúde mental e maior convívio com a família.  Novas formas de inverter a prioridade do trabalho, produtividade, motivação, competição e outros fatores que sequestravam as pessoas do seu convívio familiar, fazem parte das mudanças trazidas pela pandemia.

Diante da nova modalidade que surgiu pós-pandemia, as empresas, especialmente as políticas de Recursos humanos para contratação e retenção de talentos, possivelmente também passarão por revisão dos objetivos.

“A pandemia trouxe para nós a coragem de fazer escolhas e que na relação entre colaboradores e empresas será repensada.  Todos devem ganhar, tanto a empresa como a produtividade e os colaboradores no seu direito de fazer escolhas em prol da qualidade de vida e saúde mental” diz a psicóloga.

As empresas nos últimos tempos têm aumentado a demanda, para redução de custos com equipes enxutas, em troca do “conforto do home office”, uma modalidade que deve ser considerada como algo novo e possível de se fazer, sem que haja aumento da carga de trabalho, controle de vigilância, com a mesma pressão de antes, sem considerar que todos podem fazer o seu trabalho com responsabilidade e comprometimento, porém, tais competências não é o tanto que se fica online, mas sim o resultado da entrega do trabalho.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.