Julgamento

Justiça Federal nega recurso a ex-deputado Eduardo Cunha

O ex-deputado Eduardo Cunha foi condenado por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.

Imirante.com, com informações da Agência Brasil

- Atualizada em 27/03/2022 às 11h19
Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.
Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha. ( Foto: Divulgação)

BRASÍLIA - A Oitava Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou hoje (26) embargo de declaração protocolado pela defesa do ex-deputado Eduardo Cunha, condenado por corrupção, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Cunha, que está preso preventivamente desde outubro de 2016 em Curitiba, ainda tem outro recurso pendente de julgamento na segunda instância, um embargo infringente.

Leia também:

Juíza nega gratuidade de Justiça a Eduardo Cunha

MPF denuncia Henrique Alves e Eduardo Cunha por corrupção passiva

Segunda Turma do STF nega liberdade a Eduardo Cunha

Diferentemente do embargo de declaração, o infringente tem possibilidade de resultar na alteração do resultado de um julgamento, inclusive no sentido de absolvição do réu. Ainda não há data marcada para o julgamento do outro recurso de Cunha no TRF4.

Ex-presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha foi condenado em março do ano passado pelo juiz Sergio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, a 15 anos e quatro meses de prisão, por participação em um esquema de corrupção na compra de um campo de petróleo, em Benin, na África, pela Petrobras. Cunha teria recebido US$ 1,5 milhão em propina.

Em novembro do ano passado, a condenação foi confirmada pelo TRF4, que, no entanto, reduziu a pena de Cunha para 14 anos e seis meses de prisão.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.