Pergentino Holanda

Campeão de Formula 1 nos Lençóis Maranhenses

E mais: os 100 anos de vida de Dona Aliete Lopes Trinta.
PH05/01/2022 às 10h01
O piloto campeão do mundo Max Verstappen com a família Piquet, em Brasília

Coube ao portal UOL espalhar a notícia para o mundo sobre as férias do piloto Max Verstappen, o mais novo campeão da Fórmula 1, que incluiu a paradisíaca cidade de Santo Amaro, no Maranhão.

Dias depois de se consagrar campeão, após uma disputa emocionante contra Lewis Hamilton, Max Verstappen desembarcou em Brasília, onde mora o tricampeão do mundo Nelson Piquet, pai de sua namorada Kelly Piquet, para passar o Natal com ela e toda a sua família.

De lá, a turma seguiu para um lugar paradisíaco: os Lençóis Maranhenses, onde, inclusive, Verstappen e Kelly já haviam estado no começo de 2021, hospedados na casa de Nelsinho Piquet e Marquinhos Regadas, no balneário de Santo Amaro.

Do Maranhão, Verstappen e Kelly seguiram para os Estados Unidos. O Réveillon do casal foi em Miami.

O piloto Max Verstappen com a namorada Kelly Piquet
Na mesa de jantar, para o Natal, Max Verstappen e Kelly Piquet ao lado tricampeçao de Formula 1 Nelson Piquet
O momento mais romântico do piloto Max Verstappen e Kelly Piquet no Maranhão foi nas areias na margem de uma das lagoas de Santo Amaro

Morte de dona Ercília Mendes

Causou grande consternação na sociedade maranhense a morte inesperada de Dona Ercília Mendes, 88 anos, ocorrida na madrugada de ontem, em São Luís.

Uma de suas filhas, Ana Elvira, estava com o marido José Benedito Buhatem, os filhos, genros e netos fazendo um passeio por Cancún, o belo paraíso turístico e principal destino do Caribe mexicano, famoso por suas praias de mar azul e sítios arqueológicos maias.

Ontem mesmo eles interromperam as férias e iniciaram a viagem de volta a esta Capital. Mas o avião ficou retido no Panamá e somente na noite de hoje deverá aterrissar no Brasil. Ou seja, os Buhatem só vão chegar a São Luís amanhã.

Por esse motivo, o velório previsto para hoje, na Pax União da Rua Grande, seguido de cremação do corpo, no Memorial Pax União, na Maioba, foi adiado para amanhã, possivelmente nos mesmos horários previstos, ou seja, a partir das 13h.

A volta da propaganda partidária

Ao sancionar a lei que permite a volta da propaganda partidária fora do período eleitoral em rádio e televisão, o presidente Jair Bolsonaro vetou a compensação fiscal a que as emissoras teriam direito pela cessão do horário gratuito às legendas.

O texto está publicado no Diário Oficial da União de ontem. A propaganda partidária foi extinta em 2017, ficando mantido apenas o horário eleitoral em período de campanha.

O veto de Bolsonaro se deu no trecho que garantia às emissoras de rádio e de televisão o direito a compensação fiscal pela transmissão gratuita dos programas dos partidos e as obrigava a ressarcir as siglas lesadas em caso de recusa em exibir os programas.

Pela nova lei, a propaganda partidária será divulgada fora do período de campanha, incluindo o primeiro semestre do ano eleitoral, em horário nobre, das 19h30min às 22h30min, a pedido dos partidos e com autorização dos tribunais eleitorais.

Desempenho com a propaganda

O objetivo é permitir às siglas difundir seus programas, transmitir mensagens aos filiados, incentivar a filiação, esclarecer o seu papel na democracia e promover e difundir a participação política das mulheres, dos jovens e dos negros.

A duração das inserções está condicionada ao desempenho eleitoral de cada legenda, ou seja, vai depender da proporção de sua bancada eleita em cada eleição geral.

Sinalização de retração na produção

Os dados da Sondagem da Indústria de Transformação e Extrativa do Maranhão, do 3º trimestre de 2021, apontaram queda de 5,2 pontos percentuais no nível de atividade do setor quando comparado o 3º trimestre do ano passado, deixando o indicador abaixo da linha dos 50 pontos.

Esse declínio ganha mais expressão se for considerado que, em 2020, a estrutura industrial estava muito mais afetada pela pandemia do coronavírus.

A pesquisa foi elaborada pela Federação das Indústrias do Estado do Maranhão (Fiema) em parceria com a Confederação Nacional da Indústria (CNI), no final do ano passado, e considera que valores acima de 50 pontos indicam aumento frente ao mês anterior; valores abaixo de 50 pontos indicam queda; e quanto mais distante dos 50 pontos, maior e mais disseminada é a variação.

Segundo o estudo da Federação, no que tange à Utilização da Capacidade Instalada, a indústria de transformação/extrativa marcou 35,8%, no 3º trimestre, praticamente a metade do que foi registado em igual período do ano passado (62%), quando o efetivo para trimestre era 61,0%. O resultado é uma sinalização de retração na produção.

Sinalização de retração na produção...2

Segundo os industriais maranhenses, o preço médio dos insumos e matérias-primas seguiu aproximadamente constante, em torno de 75,0 pontos, mas inferior ao do 2º trimestre (82,5 pontos).

Com os preços médios dos insumos em alta, houve um recuo natural na produção. “Verificou-se, ademais, uma tendência de crescimento, desde 2020, fato que pode ter corroborado com a insatisfação dos industriais com a situação financeira e a margem de lucro operacional”, destacou a pesquisa.

Em relação a esses indicadores, a situação financeira, por exemplo, alcançou 40,7 pontos no 3º trimestre/2021, e a margem de lucro caiu para 38,5, ficando, ambos, abaixo da linha de 50 pontos, evidenciando a insatisfação empresarial.

Por outro lado, os dados da sondagem trimestral apontam a queixa dos industriais quanto ao acesso ao crédito, que afirmam encontrar dificuldades de obtenção de crédito, realidade comum ao Maranhão (39,6 pontos) e Brasil (40,0 pontos).

Em ambos os espaços, o valor do indicador está abaixo da linha dos 50 pontos.

DE RELANCE

Batida eletrônica está bombando

A noite são-luisense está mudando, com cada vez mais nomes se lançando no comando de pick-ups para alegrar as noitadas de bares e restaurantes.

No caso do fisioterapeuta e já eleito Top DJ Sérgio Balata, o protagonismo vai além: animando as festas de bares e boates bem frequentadas pela juventude, e também festas particulares da ala jovem bem antenada, especialmente festas de debutantes, ele é um dos DJs que estão inserindo a Capital no mapa da música eletrônica no Brasil.

O dono de um dos bares mais badalados da cidade conta que a casa usa atrações de outros Estados e faz a ponte com os DJs que atuam aqui. É uma curadoria de trabalhos autorais, com espaço para diversidade, inclusive com DJs mulheres. “A aceitação é incrível. O público gosta de dançar e curte novidades” – relata.

Para quem acha que a batida é sempre igual, ledo engano. Segundo Balata, “há uma infinidade de estilos, inclusive mixando a pegada eletrônica com o jazz e a música brasileira”.

O charme do olivoturismo

Amigo gaúcho que está sempre antenado com esta coluna conta que se tem um negócio que desponta no Rio Grande do Sul, é o cultivo de oliveiras e tudo o que essas árvores carregadas de história e simbolismo trazem consigo - inclusive o germinar de um novo tipo de turismo, que avança no pós-pandemia.

A safra de 2021 bateu a marca de 202 mil litros de azeite de oliva (320,8% a mais do que em 2020), com a qualidade confirmada em concursos internacionais, em países como Itália, Grécia e Israel.

Foram dezenas de premiações importantes, tanto em azeites monovarietais como em blends (quando há duas ou mais variedades juntas).

Só aumenta a curiosidade

Tudo isso contribuiu para alavancar a curiosidade e o interesse em torno dos olivais. Desde o baque da covid-19, os produtores gaúchos testemunham um novo momento no setor. As pessoas estão buscando viagens mais curtas, de até 200 quilômetros, redescobrindo o Estado.

Ou seja: buscam novas experiências, e o olivoturismo é exatamente isso. Hoje, há pelo menos 14 propriedades produtoras no Estado. No começo, o objetivo era fazer um bom azeite. Depois, os empreendedores se deram conta de que as pessoas queriam mais. Desde então, é possível conhecer de perto o terroir onde frutifica o “ouro verde” e – melhor de tudo – sem a pressa e a pasteurização típicas do turismo de massa.

Os visitantes, entre eles muitos maranhenses, querem ver o pomar, saber como funciona o lagar (onde se extrai o azeite), conversar, degustar. É gente de tudo quanto é canto.

A quem interessar possa: o lançamento oficial da colheita de 2022 ocorrerá no próximo dia 18 de fevereiro.

2022, e agora?

O ano que vem vai ser de eleições, do agravamento das desigualdades e das tensões sociais e políticas. Vai ser o ano do recuo da globalização, das sociedades ciberfísicas, do turismo espacial e da hegemonia chinesa. Não sabemos como vai ser 2022.

O que aprendemos sobre a covid-19 nos últimos dois anos?

Desde o primeiro anúncio da descoberta de um novo vírus na China até o presente, quando já morreram pelo menos 5,3 milhões de pessoas e o mundo foi virado do avesso por causa do coronavírus SARS-CoV-2, a ciência teve de correr para o compreender.

Sobre o pedido “fique em casa”

Nas redes antissociais, é comum ver uma acusação dirigida a jornalistas, especialmente em notas e reportagens que mencionam dados negativos: “É culpa de quem mandou ficar em casa, a economia a gente vê depois”.

Esta coluna não costuma responder, porque agressão não favorece o diálogo, mas gostaria de fazer uma ponderação: dá orgulho ter defendido que era preciso ficar em casa no início da pandemia.

Primeiro, porque foi a proteção coletiva que evitou nó nos serviços semelhante ao que se viu no Exterior na virada de 2021 para 2022. Com um número crescente de pessoas em quarentena em vários países, empresas, especialmente as aéreas, enfrentaram problemas para manter escalas de serviço. Isso, com a variante Ômicron, que, apesar de maior contágio, parece desenvolver doença de menor gravidade.

Segundo, porque sem a proteção do isolamento social, os estragos da covid-19 seriam ainda maiores do que o desastre que temos no Brasil, com 619.245 mortes, mesmo com 67% da população com ao menos duas doses (ou dose única).

Nossa sorte é que os brasileiros pensam mais na sua própria sobrevivência e no bem comum do que parte de seus representantes e correram para se vacinar assim que foi possível.

Para escrever na pedra:

“Não é amigo aquele que alardeia a amizade: é traficante; a amizade sente-se, não se diz...”. De Machado de Assis, romancista brasileiro.

Hoje é dia de festejar uma figura emblemática desta cidade: a Sra. Aliete Lopes Trinta, que está completando 100 anos. Sua família - à frente a filha Déia Trinta Paes - vai homenageá-la com um chocolate no seu apartamento, reunindo todos os filhos.

Dona Aliete Lopes Trinta comemora hoje uma idade histórica: 100 anos bem vividos


TRIVIAL VARIADO

Dica para os maranhenses que estiverem com viagem programada esta semana para o Rio de Janeiro: a Academia da Cachaça (da Barra) realiza nesta sexta-feira, dia 7, uma Roda de Samba com música ao vivo, das 18h às 22h.

Um dos mais badalados bistrôs de São Luís, o Alameda Trinta, do super premiado chef Warwick Trinta, comemora no próximo dia 12, cinco anos de funcionamento, com uma das cozinhas mais criativas desta cidade.

Leia outras notícias em PortalNamira.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

Selo IVC
© 2019 - Todos os direitos reservados.