Evento gratuito

Exibição gratuita de documentários ocorre em SL

A programação conta com produções do Maranhão, Acre, Pará e Mato Grosso.
Na Mira, com informações da Assessoria15/05/2019 às 09h40
Exibição gratuita de documentários ocorre em SLEntre a programação, destaca-se a produção maranhense "O Lenin da Mata". (Foto: divulgação )

SÃO LUÍS - A sétima arte não poderia ficar de fora da celebração da cultura amazônica. Com uma programação com quatro curtas e um filme de média duração, o Sesc Amazônia das Artes exibe relevantes documentários nesta quarta e quinta-feira, dias 15 e 16 de maio, no Cine Praia Grande. A entrada é gratuita.

Saiba mais: Diversidade amazônica está em cena em São Luís

Com produções do Maranhão, Acre, Pará e Mato Grosso, das 16h30 às 19h30, os ludovicenses poderão conhecer diferentes realidades e histórias nos filmes “Juba”, “Limiar”, “Marajó das Letras – Os abridores de letras da Amazônia Marajoara”, “Sabá” e “Manuel Bernardino: O Lenin da Mata”. Do seringueiro e sindicalista Sabá Marinho do Acre aos mestres pintores de barcos da ilha do Marajó, a mostra pretende evidenciar a realidade e história amazônica.

O Maranhão está bem representado na linguagem por meio da produção Manuel Bernardino: o Lenin da Matta, de Rose Panet. Conhecido como “o Lenin da Matta”, alcunha que lhe foi imposta pela imprensa da época, Manuel foi defensor dos fracos e oprimidos. Assuntos que permearam sua vida são contados em imagens, depoimentos de familiares ainda vivos, professores, historiadores, outros pesquisadores e moradores do município de Dom Pedro/MA.

15 de maio/2019 (quarta-feira)
Exibições/Sessões
16:30 – “Juba” – Dir. Severino Neto e Rafael de Carvalho – 19min / Classificação: Livre
16:50 – “Limiar” – Dir. André dos Santos – 26min / Classificação : Livre
17:15 – “Marajó das Letras – Os abridores de letras da Amazônia Marajoara” – Dir. Fernada Martins – 30min / Classificação: Livre
17:45 – “Sabá” – Dir. Sergio de Carvalho – 16min / Classificação: Livre
18:30 – “Manuel Bernardino: O Lenin da Mata” – Dir. Rose Panet – 52min / Classificação: 10 anos
Debate com a diretora do filme após exibição.

16 de maio/2019 (quinta-feira)
Exibições/Sessões
15:00 – “Manuel Bernardino: O Lenin da Mata” – Dir. Rose Panet – 52min / Classificação: 10 anos
Mediação e debate com a diretora do filme após exibição.
17:00 – “Juba” – Dir. Severino Neto e Rafael de Carvalho – 19min / Classificação: Livre
17:20 – “Limiar” – Dir. André dos Santos – 26min / Classificação : Livre
17:45 – “Marajó das Letras – Os abridores de letras da Amazônia Marajoara” – Dir. Fernada Martins – 30min / Classificação: Livre
18:15 – “Sabá” – Dir. Sergio de Carvalho – 16min / Classificação: Livre
18:40 – “Manuel Bernardino: O Lenin da Mata” – Dir. Rose Panet – 52min / Classificação: 10 anos

SINOPSES

MARAJÓ DAS LETRAS – Os Abridores de Letras da Amazônia Marajoara (2016)
A segunda etapa do projeto Letras que Flutuam apresenta o documentário ‘Marajó das Letras’, que é fruto do mapeamento dos mestres pintores de barcos da ilha do Marajó, chamados abridores de letras. Este saber difuso pode ser encontrado ao longo dos rios da Amazônia, apresentando carcterísticas locais. Como a pintura de letras de barcos representa a paisagem marajoara? Como essa paisagem é representada pelos abridores de letras? A diversas manifestações culturais que influenciam essa expressão artística: desde os tipos de embarcações às variadas técnicas de pintura de letras de barcos; das aparelhagens de tecnobrega ao do tradicional carimbó. Estas são algumas das características mostradas nesse curta que traz não só uma visão documental das letras decorativas amazônicas, mas também a poética por trás dos traços desses artistas, que flutuam nas águas do gigantesco arquipélago do Marajó.

MANUEL BERNARDINO: O LENIN DA MATTA (2017)
O documentário “Manuel Bernardino: o Lenin da Matta” refaz a trajetória do líder camponês, socialista, espírita e vegetariano Manuel Bernardino, que chegou ao Maranhão fugindo da seca no Ceará. A diretora dividiu o filme em três partes, a partir dos fluidos corporais suor, sangue e lágrimas, em diálogo com episódios de sua vida. Manuel Bernardino arregimentou cerca de 200 homens quando da passagem da Coluna Prestes pelo Maranhão, no início do século XX, provavelmente o maior contingente da história do movimento tenentista. O roteiro do filme, narrado pelo cantor Zeca Baleiro, foi elaborado a partir de depoimento do protagonista em delegacia de São Luís, na década de 1920, e a obra conta ainda com depoimentos de moradores de Dom Pedro, cidade surgida a partir da chegada de Manuel Bernardino à região, parentes e pesquisadores, entre os quais Anita Leocádia Prestes.

LIMIAR (2017)
João (Benjamin Fortunato), um garoto de apenas 7 anos, fica preso curiosamente dentro de um casarão, numa noite sombria. A partir de então ele se depara com acontecimentos inesperados com fortes ligações com seu passado e futuro.

JUBA (2017)
Juba é uma jovem que ganha dinheiro fazendo malabares nas ruas de Cuiabá. Em uma dessas raras oportunidades que a vida oferece, Juba e seus companheiros recebem uma proposta irrecusável. Porém, mesmo com tudo combinado, alguns detalhes do seu complexo cotidiano tornam a decisão mais difícil do que parece. Um dilema de como os sonhos e a própria vida se misturam e se é possível que a arte sobreviva à realidade.

SABÁ (2018)
A memória da luta contra fazendeiros e em defesa da floresta Amazônica, ao lado do companheiro Chico Mendes, ora se confundem, ora se fundem com o cotidiano simples do seringueiro e sindicalista Sabá Marinho e sua esposa Joana.

Leia outras notícias em PortalNamira.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.