Arte

Exposição em São Luís homenageia artista plástica Dila

A exposição permanece em cartaz até o dia 16 de dezembro na sede da Procuradoria Geral de Justiça, em São Luís.

Divulgação / MP-MA

- Atualizada em 26/03/2022 às 18h55
Ao todo, são sete litografias e 13 quadros na técnica óleo sobre tela.
Ao todo, são sete litografias e 13 quadros na técnica óleo sobre tela. (Foto: Divulgação / MP-MA)

SÃO LUÍS - A exposição 'Mostra Homenagem: Dila' será aberta nesta sexta-feira (10), no Espaço de Artes Márcia Sandes, na sede da Procuradoria Geral de Justiça, em São Luís. A mostra, que já pode ser vista, integra a programação de atividades do 11º Congresso Estadual do Ministério Público do Maranhão, a ser realizado nos dias 9 e 10 de dezembro. São 20 telas que trazem a marca da arte naif desta artista plástica maranhense que tem mais de 50 anos de trajetória.

A exposição permanece em cartaz até o dia 16 de dezembro. Ao todo, são sete litografias e 13 quadros na técnica óleo sobre tela. Quatro trabalhos são de propriedade da Dila e estão à venda. Os outros pertencem a coleções particulares.

Recentemente, Dila foi resgatada de condições insalubres pelo Ministério Público do Maranhão, após intervenção da 1ª Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos do Idoso de São Luís, estando agora abrigada no Solar do Outono.

A artista

Dileusa Dinis Rodrigues, a Dila, nasceu no dia 26 de abril de 1939, em Humberto de Campos, no Maranhão. Autodidata, expressa-se por meio de pinturas em óleo sobre tela, em arte naif. É também escultora, gravadora e ilustradora.

Com trabalhos expostos em importantes galerias, Dila é uma referência nacional em arte naif. Seus temas variam entre cenas rurais e urbanas, resultado da sua origem no interior do Maranhão e da experiência em São Paulo, cidade onde residiu e iniciou a carreira artística.

Dila tem um painel pintado no Aeroporto Internacional de São Luís e outro na Assembleia Legislativa, além de obras na sede da Junta Comercial do Maranhão e no Campus do Bacanga.

A artista iniciou sua carreira em 1968 e se destacou alguns anos depois, quando além do óleo sobre tela passa a compor também litografias.

Ao longo dos anos, Dila conquistou reconhecimento internacional, sendo citada em livros importantes de artes plásticas no mundo. Além disso, há obras da maranhense na cidade espanhola de Figueiras, no castelo onde morou Salvador Dali.

A pintora também tem quadros no Museu de Arte Naif de Max Fourny, em Paris e no Museu de Arte de Bariloche, na Argentina.

De tamanhos variados, alguns dos seus trabalhos, a exemplo de “Cabaret”, “Bumba-meu-boi” e “Tambor de crioula”, já foram destaque na Galeria Jacques Ardies, especializada em arte naif e onde a artista maranhense montou várias exposições.

“Para sentir a alma de um país basta descobrir como os artistas plásticos representam sua terra e seus anseios. Dila, inscrita na linhagem de arte naif, autodidata, presente no palco internacional, faz parte daqueles artistas abençoados que acreditam que sua missão na terra é pintar. Seu universo pictórico, facilmente reconhecível, jorra de um olhar encantado pelo mundo, olhar que ainda não perdeu a fé no humano”, comenta sobre Dila o mestre em Psicologia pela École des Hautes Études en Sciences Sociales (E.H.E.S.S), de Paris, Petros Stasinos.

Ele também destacou os temas tratados pela artista: “As formas humanas, voluptuosas e sensuais, iguais a anjinhos barrocos nascidos no Brasil, possuem corpos desejantes que nos fixam com um olhar despretensioso. O mais marcante na obra de Dila? A onipresença do social, do coletivo. Pessoas que cuidam da terra, pessoas unidas em festas, casamentos, tarefas cotidianas, procissões, eventos históricos, num tom sempre sereno, embora solene”, completou.

Arte naif

Arte naif é um termo usado para designar um tipo de arte popular e espontânea. A palavra naif é de origem francesa e tem como significado algo que é "ingênuo ou inocente".

Possui características baseadas na simplificação dos elementos e costuma exibir grande quantidade de cores, valorizando a representação de temas cotidianos e manifestações culturais do povo.

Geralmente é produzida por artistas autodidatas, os seja, que não possuem conhecimento formal e técnico de arte, mas que exibem produções em que outros princípios são considerados, como a autenticidade.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.