Crítica

Crítico analisa longa de aventura As Tartarugas Ninja

Filme está na programação dos cinemas de São Luís e Imperatriz.
Em Cartaz18/08/2014 às 09h25

Este reboot de As Tartarugas Ninja, vinte e um anos depois de sua última aventura em carne, osso e casco chegar aos cinemas, não é desagradável. Também não é original, embora apresente répteis, rato e samurai hi-tech como personagens, nem tampouco engraçado ou divertido de acordo com os padrões esperados de um filme-pipoca. De duração curta, se comparado com produções cada vez mais inchadas, não é cansativo ou redundante. E, persistindo na mesma comparação, não é revolucionário no aspecto técnico ou criativo do ponto de vista narrativo. Não é, de forma alguma, nostálgico, mesmo que apele para a memória afetiva de jovens adultos como eu. E não é arriscado, pelo contrário, a fórmula cinematográfica está tão nítida que só não a enxerga quem não quer. Em resumo, é um “não”-cinematográfico, um produto capitalista que ocupará as salas de cinema por algumas semanas mas não a nossa memória, senão graças à lembrança de uma continuação vindoura marcada para 2016. E, sendo o que é, é um trabalho incrivelmente chato para ser criticado, porque todas as palavras que eu puser neste texto, já empreguei anteriormente para discutir filmes apáticos semelhantes.

Leia mais no blog Em Cartaz clicando aqui.

Leia outras notícias em PortalNamira.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.