Comportamento

“Não é fácil identificar uma pessoa falsa”, diz psicóloga

Lidar com esse tipo de gente exige paciência, tolerância e autocontrole.
Angra Nascimento / Imirante Imperatriz21/10/2015 às 10h02

IMPERATRIZ – Aprender a identificar e lidar com pessoas falsas nem sempre é uma tarefa fácil, principalmente no ambiente de trabalho. De acordo com a psicóloga Diana Régia Meireles, o exercício requer paciência, tolerância e sobretudo, prestar atenção nas atitudes de colegas de convivência, que muitas vezes se passam por alguém gentil e prestativo.

A principal dica da especialista para saber lidar com pessoas falsas “é ter confiança em você mesmo. Comece a perceber o tipo de conversa, que esse ambiente está fluindo e não dá muito ouvido, ignorar a maior parte”, aconselha, lembrando que essa atitude, ajuda a fazer a pessoa repensar nas suas atitudes.

“Agindo assim, com o passar do tempo, essa pessoa vai se sentindo um pouquinho isolada, sem credibilidade e vai se tocando. Se você gosta dessa pessoa e quer ajuda-la, a dica é chamar à parte e conversar abertamente sobre determinado comportamento”.

Diana Régia, lembra todavia, que em todo ambiente de trabalho existem pessoas que gostam de fofocas, de chamar a atenção, até como forma de se destacar e manter-se no emprego. “São pessoas mais inseguras e querem chamar a atenção de uma forma negativa”, afirma, ressaltando que a falsidade só prejudica a pessoa falsa.

Para a psicóloga, a comunicação precisa ser proativa, ajudar o próximo e não destruir. No entanto, ela lembra que não é fácil identificar e lidar com esse tipo de gente. “Existem pessoas falsas que são muito inteligentes e habilidosas nas relações interpessoais, quando na realidade existe uma falsidade muito grande no subconsciente. Não é fácil identificar. Temos que ficar atentos e observar o comportamento da pessoa”.

Um dos sintomas claros para saber identificar é se a pessoa for pega na mentira mais de uma vez. “Geralmente a pessoa com histórico de falsidade, ela não se contenta em falar uma só mentira, uma só fofoca. A pessoa vai dando continuidade, por ser uma fonte até de prazer e uma forma de chamar a atenção”.

A falsidade, de acordo com Diana Régia, é de origem patológica. As pessoas falsas vivem de máscara e muitas vezes mente para sim mesmo. “É um mundo de fantasias, que começa com pequenas coisas e pode tomar proporções bem maiores e comprometendo as relações no cotidiano”, alerta a especialista.

Leia outras notícias em PortalNamira.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.