Polêmica

Pabllo Vittar é acusada de plágio segundo colunista

O cantor Herlomm Diosly dos Reis Silva, teria entrado com uma ação contra a drag queen por indenização por danos morais e materiais por sua canção "Amar, Sofrer, Chorar".

Na Mira

- Atualizada em 04/08/2022 às 11h45
Pabllo Vittar é acusada de plágio segundo colunista
Pabllo Vittar é acusada de plágio segundo colunista (Foto: Reprodução)

BRASIL - A cantora maranhense Pabllo Vittar, de 28 anos de idade, é acusada de plágio segundo o colunista da UOL, Lucas Pasin. O processo de plágio corre na 43º Vara Cível da Comarca de São Paulo. O cantor Herlomm Diosly dos Reis Silva, teria entrado com uma ação contra a drag queen por indenização por danos morais e materiais por sua canção "Amar, Sofrer, Chorar".

De acordo com a matéria, o cantor alega que o hit da cantora "Ama, Sofre, Chora", do álbum "Batidão Tropical", foi um plágio da sua canção "Amar, Sofrer, Chorar", escrita por ele. Segundo Herlomm, a canção foi registrada em 13 de junho de 2019 na plataforma online "musicasregistradas.com" e ganhou até mesmo um vídeo clipe lançado em seu canal no Youtube, lançado em 1º de outubro de 2020.

A música de Pabllo foi lançado em 7 de maio de 2021, e conta com os compositores Arthur Pampolin Gomes, Arthur Simões Magno Marques, Guilherme Santos Pereira, Pablo Luiz Bispo e Rodrigo Pereira Vilela dos Santos, que também são citados no pedido inicial da ação feita por Herlomm.

Segundo a ação, Herlomm alega que ao ouvir a música de Pabllo Vittar "identificou trechos com o mesmo sentido da composição original, de sua autoria, não só no título e melodia, estes praticamente idênticos, como também, no sentido literário, pois ambas falam de amor não correspondido, onde uma pessoa ama outra que a ignora".

"Herlomm Grandão", nome artístico do compositor, pede uma indenização para receber todo o lucro que foi obtido com a música de Pabllo e seus compositores no prazo em que estiver vivo e mais sessenta anos depois de sua morte, como parte dos danos materiais. O cantor também pede que o valor dos danos morais seja dez vezes maior que os materiais pedidos na ação inicial. O valor da ação pode chegar a R$1 milhão. 

Em nota enviada ao colunista Lucas Pasin, a assessoria jurídica e de imprensa da cantora maranhense aponta que a acusação é "leviana".

Leia a nota completa enviada pela equipe de Pabllo Vittar:

"A equipe da artista Pabllo Vittar vem, através deste comunicado, informar que tomou conhecimento pela mídia digital, que existe uma acusação de plágio referente à obra "Ama Sofre Chora", de Autoria de Rodrigo Gorky, Pablo Bispo, Arthur Marques, Arthur Pampolin Gomes e Guilherme dos Santos Pereira. Em que pese não tenha recebido nenhuma notificação ou citação até o presente momento, a Artista, através de sua equipe, examinou a gravação da obra alegadamente plagiada e verificou que não existe nenhuma hipótese de ocorrência de plágio, visto que as obras musicais são totalmente distintas, nada existindo que possa, minimamente, levar a essa conclusão.”, esclarece.

“Neste sentido, este comunicado serve para esclarecer que a artista Pabllo Vittar não cometeu nenhum tipo de violação a direito autoral e não compactua com a apropriação indevida de qualquer espécie de propriedade intelectual. Trata-se de evidente acusação leviana, sem qualquer fundamento, a qual será devidamente contestada no momento oportuno. Atenciosamente, Depto. Jurídico Pabllo Vittar Entretenimento Eireli.", finaliza. 

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.