Internacional

Trump ameaça ''acertar 52 locais do Irã'' se algum alvo dos EUA for atingido

Após morte de general, Irã fala em vingança; presidente dos Estados Unidos alerta que está pronto para reagir.
Imirante.com, com informações da Agência Brasil04/01/2020 às 20h59
Trump ameaça ''acertar 52 locais do Irã'' se algum alvo dos EUA for atingidoFoto: reprodução

ESTADOS UNIDOS - O presidente Donald Trump usou o Twitter, neste sábado (4), para afirmar que se o Irã acertar um alvo americano como forma de retaliação pela morte do general Qassim Suleimani, os Estados Unidos atingirão, como resposta, 52 alvos de alto nível e importância para o Irã.

"Se o Irã atingir qualquer americano, ou alvos americanos, teremos como alvo 52 locais iranianos (representando 52 reféns americanos feitos pelo Irã há muitos anos), alguns desses locais de alto nível e importante para o Irã e para a cultura iraniana, e esses alvos e o próprio Irã serão atingidos com muita rapidez e muita força. Os Estados Unidos não querem mais ameaças", publicou o Trump.

Vale lembrar que, após a confirmação da morte de Suleimani, membros do governo iraniano falaram publicamente em vingar a morte do general atingindo diretamente os Estados Unidos. O Irã decretou três dias de luto pela morte de Suleimani. O ministro iraniano das Relações Exteriores, Mohammad Javad Zarif, advertiu que o ataque americano foi uma "escalada extremamente perigosa e imprudente". O , o aiatolá Ali Khamenei, se comprometeu a "vingar" a morte de Soleimani e decretou três dias de luto nacional no país.

"O martírio é a recompensa por seu trabalho incansável durante todos estes anos (...) Se Deus quiser, sua obra e seu caminho não vão parar aqui e uma vingança implacável espera os criminosos que encheram as mãos com seu sangue e a de outros mártires", afirmou o guia supremo do Irã, o aiatolá Khamenei, em sua conta no Twitter.

Pronunciamento de Trump

O presidente Donald Trump fez um pronunciamento na noite de hoje (3) em que disse que o ataque dos Estados Unidos que resultou na morte, no Iraque, do general Qassem Soleimani, um militar de alta patente do Irã, foi uma ação para parar e não para começar uma guerra. A morte de Soleimani causou tensão nesta sexta-feira entre líderes mundiais devido ao risco da escalada do conflito entre Estados Unidos e Irã.

Durante o pronunciamento, Trump classificou Soleimani como “o terrorista número 1 do mundo” e disse que o iraniano estava planejando ataques terroristas contra diplomatas e militares norte-americanos. “Sobre nossa política contra terrorista que ameaçam ou pretendem ameaçar qualquer americano, nós vamos encontrá-lo e eliminá-lo”, disse o presidente.

Trump responsabilizou Soleimani pelos ataques a alvos dos EUA no Iraque, incluindo ataques a mísseis e o ataque à embaixada em Bagdá. “Soleimani perpetuou atos de terrorismo para desestabilizar o Oriente Médio pelos últimos 20 anos”.

O presidente disse que o ataque que resultou na morte de Soleimani deveria ter sido feito há muito tempo. “Muitas vidas teriam sido salvas. Recentemente Soleimani liderou a repressão brutal contra protestos no Irã em que mais de mil civis inocentes foram torturados e mortos pelo governo errado.”

Trump disse ter um profundo respeito pelo povo iraniano e que não procura uma mudança de regime. “Entretanto o uso do regime iraniano de ações para desestabilizar seus vizinhos deve acabar e deve acabar agora. O futuro pertence ao povo do Irã, àqueles que procuram coexistência pacífica e cooperação, não os terroristas lordes da guerra”.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.