Cobranças

Universitários protestam contra fechamento de turmas na Uemasul

Eles questionam qual seria a motivação para a retirada das turmas do período noturno, do curso de história, e cobram a oferta de vagas no curso à noite.
Imirante.com29/11/2018 às 19h45
Universitários protestam contra fechamento de turmas na Uemasul Os estudantes consideram a não oferta do curso à noite, que sempre existiu antes da mudança da Uema para Uemasul, um retrocesso. (Foto: divulgação)

IMPERATRIZ - Acadêmicos do curso de história da Uemasul aproveitaram a realização de um evento sobre formação médica no campus de Imperatriz, nesta quinta-feira (29), com a presença de representantes da reitoria e do Governo do Estado, para protestar contra o fechamento das turmas do curso de história no período noturno.

No vestibular que ainda está em andamento por meio do Programa de Acesso ao Ensino Superior (Paes), os estudantes concorrem às vagas ofertadas para 2019 apenas no turno matutino, em Imperatriz. Os manifestantes alegam que a decisão teria sido tomada de forma arbitrária, sem a participação dos acadêmicos em reunião de colegiado.

“Se teve participação dos alunos que nos mostrem a ata da reunião do colegiado, não temos conhecimento dos alunos apoiarem essa decisão porque somos nós os mais interessados nesse curso. Tem aluno que vem de outras cidades, outros precisam trabalhar durante o dia” disse a acadêmica do 6 período matutino, Josefa Pimentel.

Os estudantes consideram a não oferta do curso à noite, que sempre existiu antes da mudança da Uema para Uemasul, um retrocesso.

“Não se resolve o problema de um hospital fechando o hospital. Da mesma forma, se o problema é professor ou falta de sala, não se resolve o problema fechando as turmas da noite”, disse o académico Maykon Vilanova, rebatendo alegações de que a falta de espaço seria um dos motivos.

A pró reitora de Gestão e Sustentabilidade Acadêmica, Regina Célia, conversou com os manifestantes e a Uemasul emitiu uma nota dizendo que já iniciou tratativas para o ingresso dos alunos à noite, em 2020, porque o edital do Paes já foi lançado e o seletivo para as turmas de 2019 está em andamento.

Veja nota na íntegra:

A Universidade Estadual da Região Tocantina do Maranhão vem por meio desta nota esclarecer a questão sobre oferta de turmas diurnas do curso de História (licenciatura) para 2019.

A decisão sobre esta questão foi tomada pelo colegiado do curso, ainda na época de UEMA. O colegiado é formado por professores e alunos, e ao que consta os registros, a decisão foi tomado com base em uma situação circunstancial vivida pelo curso naquele momento.

Sem manifestações contrárias por parte do colegiado ou da comunidade acadêmica, a decisão se manteve até que recentemente um grupo de acadêmicos se manifestou solicitando a abertura de turma no turno noturno. De pronto, a gestão superior da UEMASUL iniciou os debates para o planejamento de novas turmas noturnas.

Por força de lei, não é possível alterar o edital do PAES já lançado, uma vez que o processo seletivo já em curso para as turmas de 2019. Entretanto a instituição já iniciou as tratativas para o planejamento de novas turmas noturnas com o ingresso em 2020. Destacamos também que a universidade encontra-se em processo de expansão, possibilitando em médio prazo a abertura de novas vagas para a instituição.

A UEMASUL reitera seu compromisso com o ambiente e as práticas democráticas e reconhece a importâncias de cursos noturnos para a democratização do ensino superior, assim sendo, coloca-se a disposição para estes e outros debates.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2018 - Todos os direitos reservados.