Câmara de Vereadores

Vereador pretende propor emenda para criar o serviço de táxi-lotação em Imperatriz

O projeto de lei para criar o táxi-lotação, ainda, não tem data para entrar na pauta da Câmara.
João Rodrigues/ Imirante Imperatriz16/01/2017 às 15h09

IMPERATRIZ – Eleito para o primeiro mandato de vereador, Manoel Conceição de Almeida, mais conhecido como “Bebé Taxista”, promete atuação forte nos segmentos de trânsito e transporte público. O parlamentar prometeu ler todas as leis sobre os temas na Câmara para basear suas ações até o início das atividades, previsto para o dia 1º de fevereiro.

Em entrevista ao portal Imirante Imperatriz, “Bebé Taxista” adiantou, que vai propor no plenário, uma emenda à lei municipal que criou o transporte de táxi, para permitir que seja criado o sistema de táxi lotação.

“Devo fazer uma emenda no projeto de 2003, que diz respeito ao táxi, para que permita ao taxista, além de pegar em todos os lugares, que peguem todos os passageiros. É inadmissível que um carro venha com quatro passageiros e mais o motorista e possa carregar apenas um”, argumentou o vereador.

Bebé, que se considera taxista por formação, lembrou que foi eleito na terceira tentativa, e teve o apoio fundamental de sua categoria, embora tenha ressaltado que foi eleito para toda a cidade, e não apenas para um segmento social.

“Defender o táxi-lotação é a minha bandeira, é minha obrigação. Eu não posso dizer que eles me elegeram, mas deram uma parcela grande de colaboração”, ressaltou.

O vereador acrescentou que mesmo tendo sido eleito por outros segmentos da sociedade, isso ocorreu “por que o povo entendeu que eu realmente defendo a classe e ao entender que eu defendo a classe entendeu por bem me colocar aqui dentro para defender com o mandato, eu que já defendia como simples taxista”.

Polêmica

A criação do sistema de táxi-lotação é um desejo antigo de muitos taxistas, que chegaram a criar uma associação e solicitar à prefeitura a criação do serviço. Os taxistas chegaram a lotar a Câmara, ao menos duas vezes, para cobrar a criação do serviço e numa delas, os vereadores teriam criado a lei, mas o então prefeito Sebastião Madeira vetou.

Um dos maiores entraves para o novo serviço seria a existência, embora ilegal, dessa modalidade de transporte. A prefeitura chegou a intensificar as fiscalizações no segundo semestre do ano passado para apreender táxis que estivessem praticando essa modalidade de transporte de passageiros, assim como mototaxistas piratas, entre outras irregularidades.

A direção da Rio Anil Transportes (Ratran), informou, recentemente, que uma das exigências da empresa para se instalar em Imperatriz e para renovar o contrato precário, era a fiscalização para coibir a ação de clandestinos no transporte público.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.