Especial Leitura

Acadêmica da UFMA pesquisa sobre a alfabetização em escola pública de Imperatriz

O estudo foi apresentado no Fórum Internacional de Pedagogia.realizado em Imperatriz.
João Rodrigues/ Imirante Imperatriz26/11/2016 às 11h10

IMPERATRIZ – A acadêmica do último período do Curso de Pedagogia da Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Aparecida Guedes apresentou, em forma de artigo, uma pesquisa no Fórum Internacional de Pedagogia, sobre o nível de alfabetização e letramento numa escola municipal de Imperatriz. Os dados surpreenderam a pesquisadora e estão disponíveis no site do Fiped.

As acadêmicas do Curso de Pedagogia Aparecida Guedes e Eliane Pereira da Silva, desenvolveram estudo sobre a alfabetização em uma escola pública de Imperatriz. (Foto: Divulgação/Aparecida Gedes)

O trabalho denominado Mural Correio na Sala, executado, com a colega Eliane Pereira da Silva, a partir do gênero textual carta para uma turma de alunos do segundo ano do ensino fundamental, com 8 anos de idade, mostrou que não é verdadeira a ideia a qual diz que ao sair da alfabetização os estudantes já sabem ler e escrever.

“Nós encontramos alunos que já liam e escreviam, alunos que conheciam o alfabeto de qualquer ordem que fosse apresentado, mas que não conseguiam construir, unir as sílabas. De segundo ano, em tese, eles já teriam de saber ler e escrever, mas isso é um equívoco”, disse a pesquisadora.

Apesar da descoberta, a academia disse que o resultado final é tido como aceitável porque no Curso de Pedagogia a orientação é que “Se a criança está naquela turma é porque ela vem passando por processo de alfabetização e letramento e, também, já traz de casa algumas noções, conhece as palavras, vê TV, vê sua família e faz suas abstrações”.

Aparecida Guedes e Eliane Pereira da Silva pesquisaram sobre a alfabetização em uma escola pública de Imperatriz para apresentação de artigo no Fiped. (Foto: Divulgação/Aparecida Gedes)

A pesquisa foi realizada em três dias como parte de um projeto realizado via Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid),que oferece bolsas de iniciação à docência aos alunos de cursos presenciais.

“Nosso trabalho foi baseado no trabalho da autora Emília Ferrero. Ela enfatiza que alfabetização é um processo especifico de codificação e decodificação de sinais gráficos (letras) e o letramento ente é um processo mais elaborado em que a criança, mesmo sem saber ler é capaz de fazer construções, contar uma história e de propor uma conversa”, disse a pesquisadora da UFMA, acrescentando que a proposta inicial era trabalhar a oralidade das crianças que não sabiam ler. Emília Ferrero é uma psicolingüista da Argentina, conhecida por ter desvendado os mecanismos pelos quais as crianças aprendem a ler e escrever.

A pesquisa

De forma simples, o projeto denominado Mural Correio na Sala, consistiu em uma atividade na qual um aluno escrevia uma carta para o colega e a depositava no mural. A proposta inicial era de que o destinatário recebesse a correspondência e a lesse, mas devido a deficiência de leitura, o remetente e destinatários se reúnam em frente ao mural e o próprio escritor era quem lia para o colega.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.