Devido a superlotação

Ministério Público solicita interdição parcial do presídio de Imperatriz

MP descobriu que unidade tem 248 presos, 44 a mais do que o permitido.
Imirante Imperatriz com informações do MP-MA.29/09/2016 às 18h02

IMPERATRIZ – O promotor de justiça Domingos Eduardo da Silva, titular da 5ª Promotoria de Justiça Criminal de Imperatriz, solicitou a interdição parcial e planejada da Unidade Prisional de Ressocialização de Imperatriz (UPRI-2). Após a interdição, o MPMA solicita que presos de outras comarcas só sejam recebidos no estabelecimento com expressa autorização judicial.

De acordo com a ação, o pedido foi feito devido a superlotação das unidades prisionais e da falta de conclusão das obras, o que ocasiona graves problemas à segurança.

Na inspeção mais recente, realizada pelo Ministério Público, foi constatado que a unidade possui 248 presos, 44 a mais do que o permitido. Paralelo a isso, a unidade prisional só possui 19 agentes e 40 auxiliares penitenciários que se revezam em escala de plantão.

"Desde que o presídio foi inaugurado, há menos de um ano, já houve uma morte, duas fugas e outras duas tentativas de fuga. Isso se deve ao quadro insuficiente de funcionários e à falta de conclusão das obras do prédio", ressalta o promotor Domingos Eduardo.

Outros pedidos

O MPMA pede também a devolução imediata de todos os presos de outros estados ou de cidades do Maranhão às comarcas de origem, salvo os que têm execução penal em Imperatriz.

Requer, ainda, a transferência programada e sem permuta dos presos excedentes para outras unidades prisionais do estado, caso não seja suficiente a medida anterior.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.