Torneio

Na busca por vaga olímpica, Brasil estreia no Mundial de Judô, em Doha

Torneio é o que mais garante pontos no ranking classificatório a Paris.

Agência Brasil

- Atualizada em 06/05/2023 às 18h26
O Mundial de Judô vai até 14 de maio, com transmissão ao vivo no site do Canal Olímpico do Brasil.
O Mundial de Judô vai até 14 de maio, com transmissão ao vivo no site do Canal Olímpico do Brasil. (Foto: divulgação)

O judô brasileiro estreia na madrugada deste domingo no Mundial de Doha (Catar), principal competição da modalidade por ser a que mais pontua no ranking olímpico classificatório para os Jogos de Paris 2024. O torneio reunirá mais de 600 atletas de todo o mundo e o Brasil contará com 16 representantes (nove homens e seis mulheres), entre eles a campeã olímpica e mundial Rafaela Silva, líder do ranking na categoria dos 57 quilos, e Guilherme Schimidt (81 kg), atual número 4. O Mundial de Judô vai até 14 de maio, com transmissão ao vivo no site do Canal Olímpico do Brasil.

As primeiras judocas do país a estrear no tatame da Arena Ali Bin Hamad Al Attiya, a partir das 5h (horário de Brasília), serão Amanda Lima (48kg) e Natasha Ferreira (48kg) que enfrentarão, respectivamente, a guatemalteca Jacqueline Solis e a theca Tereza Bodnarov,  Ouro nesta no Grand Slam de Antalya (Turquia) em abril, a brasiliense Ketleyn Quadros, atual número 4 no ranking (categoria abaixo de 63 Kg) está confiante no desempenho da delegação brasileira. 

“Tivemos um resultado fantástico no ano passado e esperamos um Mundial ainda mais duro, agora, em Doha. Estamos tendo um Mundial com menos de um ano de intervalo em um calendário muito ajustado, com muitas competições. Ficamos quase um mês e meio na Europa só competindo e treinando em preparação pra esse Mundial. A minha expectativa é positiva e acredito muito nessa equipe do Brasil”, analisa judoca, em depoimento à Confederação Brasileira de Judô.

Na última edição do mundial, há sete meses, o Brasil conquistou quatro medalhas: dois ouros (com Rafaela Silva e Mayara Aguiar), uma prata (Beatriz Souza) e um bronze (Daniel Cargnin). Este ano, por conta de lesões, a delegação nacional estará desfalcada de Mayra, Cargnin e também de de Larissa Pimenta e Ellen Froner. 

“Embora tenhamos tido baixas importantes, os atletas que vieram estão preparados, tiveram uma boa campanha na preparação para o Campeonato Mundial e têm capacidade para fazerem um bom Campeonato Mundial”, afirmou Marcelo Theotonio, gerente de alto rendimento da CBJ, referindo-se aos 12 dos 16 convocados que conquistaram medalhas em competições antes do Mundial. 

De olho em Paris 2024

O Mundial de Judô distribuiu até 2 mil pontos (campeão) no ranking classificatório para Paris 2024. Com 23 pódios olímpicos conquistados até hoje, o Brasil busca assegurar vaga em cada uma das 14 categorias individuais, além do torneio por equipes em Paris.

A totalização de pontos no ranking da Federação Internacional de Judô (IJF, na sigla em inglês) teve início em julho de 2022 e só termina em junho do ano que vem. A modalidade reunirá 372 atletas em Paris (igualmente divididos entre homens e mulheres).  Os 17 primeiros colocados no ranking de categoria asseguram vaga em Paris 2024 (com o limite de um judoca por país). A partir das 18ª colocação no ranking, as vagas serão distribuídas por continente: Américas (21 vagas), Africa (24), Europa (25), Ásia (20) e Oceania (10).

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter, Instagram e TikTok e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.