Rally Dakar

Marcelo Medeiros chega em 9º entre os quadriciclos no segundo dia do Rally Dakar

Areias e atenção redobrada foram principais características da etapa.

Com informações da Assessoria

- Atualizada em 26/03/2022 às 18h43
Marcelo Medeiros, piloto da Tagracing e tetracampeão dos Sertões
Marcelo Medeiros, piloto da Tagracing e tetracampeão dos Sertões (Duda Bairros)

AL QAISUMAH (ARÁBIA SAUDITA) – Marcelo Medeiros, piloto da Tagracing e tetracampeão dos Sertões, conseguiu completar a especial desta segunda-feira, correspondente à segunda do 44° Dakar, além do prólogo realizado no último sábado, na nona posição entre os Quadriciclos FIM. O maranhense e sua Yamaha Raptor 700, #183, concluíram os 338 quilômetros da especial desta segunda-feira em 5h06min20seg, pouco mais de meia hora a mais que o vencedor do dia, o argentino e campeão do Dakar 2021, Manuel Andujar.

Um problema pouco comum para as imensidões de areia da Arábia Saudita levou a organização do Dakar 2022 a alterar a segunda etapa, nesta segunda-feira, com largada em Ha’Il. Uma chuva forte em Al Artawiyah, que receberia a caravana, invadiu o acampamento destinado aos competidores que fariam a primeira perna da maratona – com assistência externa proibida até o fim da etapa seguinte.

Com isso, os veículos seguiram para Al Qaisumah e poderão contar com o apoio mecânico. A especial de 338 quilômetros foi mantida. O deslocamento, que seria de 568km, passa a ter 458.

O grande desafio deste trecho foi manter a atenção e aturar o frio de aproximadamente 5°C, que atingiu a região desértica entre Ha’il, de onde partiu a caravana. Além, claro de manter a máquina inteira e sem danos.

A etapa de 339 quilômetros, foi marcada por muita cadeia de dunas intercaladas por pontos de intersecções confusos. A atenção na navegação e o gerenciamento dos pneus eram exigidos dos competidores, até chegar ao parque. O percurso foi marcado por piso de areia em grande parte (63% da prova), dunas (27%), e piso duro em terra (10%).

“Muito difícil de navegar. Foi um bom final. Não forcei muito no começo, o ritmo ficou certo e, no fim das contas, fizemos o máximo possível”, apontou Medeiros, que faz sua quarta participação no mais importante rali do mundo.

A terceira etapa, de 368 quilômetros, desta terça-feira, 4 de janeiro, também prevê desafios semelhantes. Só no final deste trecho que as equipes poderão dar suporte necessário aos competidores e seus equipamentos. O acampamento da prova se mantém em Al Qaisumah.

A rota seguinte será a capital do país, Riad, onde acontecem duas etapas em forma de anel aos arredores da cidade e será o descanso dos competidores. A segunda parte do rali passa pelas cidades de Al Dawadimi, Wadi Ad-Dawasir e Bisha, antes de retornar a Jihad que será também a linha de chegada. O piloto da Tagracing Team e seu Yamaha 700 vão percorrer, durante estas duas primeiras semanas do ano, a um total de 8.375 quilômetros, dos quais 4.258 km serão especiais cronometrados e o restante divididos entre trechos iniciais e finais de deslocamento.

Dentro do Dakar, Marcelo Medeiros teve outras três participações, quando a competição aconteceu na América do Sul. Em sua estreia, em 2016, e no ano seguinte, o maranhense não finalizou a prova. Em 2018, ficou em quarto lugar entre os quadriciclos. Neste ano, cada trecho do Dakar 2022 conta pontos individualmente para o Mundial de Cross Country. O mesmo critério será aplicado para os equipamentos que competem pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA).

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante nas redes sociais Twitter e Instagram e curta nossa página no Facebook e Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do Whatsapp pelo telefone (98) 99209-2383.