Trânsito

Veículos são liberados mediante parcelamento de dívidas

Em um mês de fiscalização, 342 veículos foram apreendidos.
Acélio Trindade/Imirante 27/07/2009 às 06h41

CODÓ - Em apenas um mês de fiscalização de trânsito, 342 veículos foram apreendidos nas ruas de Codó, número que vem crescendo todos os dias com a continuidade do trabalho.

Isso gerou um grande problema para a maioria dos flagrados que, certamente, se viram apertados para regularizar a situação do veículo, principalmente motos, com vários anos de IPVA atrasado e multas.

Solução

A solução veio da própria chefia da 3ª Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran). Segundo César Roberto Oliveira Soares a medida foi comunicada a direção do DETRAN/MA de quem recebeu autorização.

Quem deve dois, três ou mais anos de IPVA, para ter seu veículo de volta, em Codó, basta pagar um ano apenas de atraso. César Soares explicou que a moto, por exemplo, volta para as ruas, mas o documento fica retido até que o proprietário pague tudo que deve.“As pessoas que têm débito tipo 2007, 2008, 2009, elas poderão pagar 2007 primeiro, nós iremos dar um prazo, pagarão 2008 e em seguida pagarão 2009. Só que elas só poderão rodar dentro do município de Codó. O documento virá após ela quitar o débito total, senão não recebe o documento. Ele (proprietário) vai andar com o documento do banco para apresentar caso ele pare em alguma blitz”, explicou o chefe da Ciretran

A medida tem feito sucesso. O objetivo é social, explicou César que garantiu que muitos estão aproveitando.

“Muita gente está procurando, a gente está tentando atender da melhor maneira possível e logo em seguida essas pessoas se sentirão bem por poder ir até Caxias, São Luís se for o caso com sua moto, seu carro sem ficar fugindo da polícia de trânsito com o se fossem marginais”, concluiu.

Para vereadores

O chefe da terceira Ciretran também fez menção à pressão que os vereadores de oposição começaram a fazer para que a fiscalização, tal como está sendo realizada, pare. Na opinião de 5, dos 11 parlamentares da cidade, as apreensões causam um enorme prejuízo à muitos proprietários que não teriam condições de reaver o bem por causa das multas e débitos do IPVA.

“Eu acho que os vereadores vão parar, vão pensar na vida das pessoas que é o mais importante em vez de estar até insinuando coisas fazendo com que as pessoas procurem andar errado, isso aí não é bom para a vida dos pais de família de Codó. A vida é que é o bem mais importante, é o bem que não tem preço”, afirmou César Soares.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.