ABONO RESTRITO

Câmara mantém restrição para abono salarial na reforma da Previdência

Benefício só será pago a quem ganha até R$ 1.364,43; até então, abono era pago a trabalhadores de carteira assinada que recebem até dois salários mínimos e estavam inscritos há pelo menos cinco anos no PIS
IMIRANTE.COM, COM INFORMAÇÕES DA AGÊNCIA BRASIL07/08/2019 às 20h13
Câmara mantém restrição para abono salarial na reforma da Previdência Câmara dos Deputados mantém a restrição ao abono salarial na reforma da Previdência (AGÊNCIA BRASIL)

BRASÍLIA - Por 345 votos a 139, o Plenário da Câmara dos Deputados derrubou destaque do PSOL e manteve a restrição ao abono salarial aprovada na reforma da Previdência. O benefício agora será pago apenas para quem ganha até R$ 1.364,43 por mês, considerado pelo governo como limite para famílias de baixa renda.

Até agora, o abono era pago a trabalhadores de carteira assinada que recebem até dois salários mínimos e estavam inscritos há pelo menos cinco anos do Programa de Integração Social (PIS) ou no Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep). Segundo o governo, a mudança permitirá a concentração do pagamento a quem mais precisa do benefício, gerando economia de R$ 76,4 bilhões nos próximos dez anos.

No momento, os deputados analisam destaque do Novo, que retira as idades mínimas especiais de aposentadoria para professores de 60 anos (homens) e 57 anos (mulheres). O partido quer que a categoria se aposente na mesma idade mínima que os demais profissionais: 65 anos (homens) e 62 anos (mulheres).

Leia também:

Câmara aprova texto-base da reforma da Previdência por 370 votos a 124

Câmara conclui discussão em segundo turno sobre reforma da Previdência

Destaques rejeitados

Até agora, quatro dos nove destaques apresentados foram rejeitados. O primeiro, de autoria do PT, permitiria que recolhimentos do trabalhador abaixo do valor mínimo exigido para determinada categoria conte como mês de efetiva contribuição. O relator da reforma na comissão especial, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), alegou que a retirada desse ponto da reforma prejudicaria os trabalhadores intermitentes.

De autoria do PCdoB, o segundo destaque rejeitado manteve as mudanças no cálculo de pensões por morte, permitindo o pagamento de pensões inferiores a um salário mínimo caso o segurado tenha outras fontes formais de renda.

O terceiro destaque rejeitado, apresentado pelo PT, queria retirar a fixação, na Constituição, de critérios de renda para o pagamento do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Texto-base aprovado

No início da madrugada, o plenário da Câmara aprovou o texto principal por 370 votos a favor, 124 contra e 1 abstenção.

A tramitação em primeiro turno da proposta foi concluída em 13 de julho. Na ocasião, o texto principal foi aprovado por 379 votos a 131. Em segundo turno, são necessários também pelo menos 308 votos para aprovar a PEC, e os partidos podem apresentar somente destaques supressivos, ou seja, para retirar partes do texto.

Concluída a tramitação na Câmara, a matéria segue para análise do Senado, onde também será analisada em dois turnos de votação.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.