Latrocínio

MPF-MA denuncia envolvidos na morte de delegado da Polícia Federal

A ação criminosa aconteceu no dia 5 de maio de 2018, na casa de praia da família do delegado David Farias de Aragão.
Divulgação/MPF-MA07/06/2018 às 14h36
MPF-MA denuncia envolvidos na morte de delegado da Polícia FederalDavid Farias de Aragão estava comemorando o aniversário de cinco anos da sua filha mais velha, quando foi assassinado. (Foto: divulgação)

SÃO LUÍS - O Ministério Público Federal no Maranhão (MPF-MA) denunciou Davi Costa Martins, Wanderson de Morais Baldez e Bruno Souza Goulart, pelos crimes ocorridos em 5 de maio de 2018, na casa de praia, localizada no Araçagy, que culminou na morte do delegado de Polícia Federal David Farias de Aragão.

Relembre o caso:

Delegado federal é assassinado durante festa de aniversário da filha, no Araçagi

"Caso está praticamente elucidado" diz delegado sobre morte de Davi Aragão

Polícia fará simulação da morte de delegado da PF

Inquérito da morte de delegado em fase de conclusão

Os denunciados Davi Costa Martins e Wanderson de Morais Baldez, acompanhados de um adolescente, invadiram a casa de praia às 23h40 do dia 5 de maio, data em que a família estava reunida para a comemoração do aniversário de cinco anos da filha mais velha do delegado David Farias. Quem estava no local foi rendido e, mediante grave ameaça e violência, tiveram seus pertences subtraídos. A ação, que durou cerca de seis minutos, resultou na morte do delegado, com tiros efetuados com sua própria arma, pelo acusado Davi Costa Martins.

De acordo com a denúncia, a pistola de uso funcional utilizada no crime era patrimônio da Polícia Federal e foi entregue a Bruno de Souza Goulart que, segundo os autos, não apenas recebeu a arma, mas tinha plena ciência da participação dos envolvidos no crime de roubo, na ação previamente organizada, em que ele agia como facilitador nas negociações de venda dos produtos roubados.

A partir disso, o MPF-MA requer que Davi Costa Martins e Wanderson de Morais Baldez respondam pelos crimes de associação criminosa majorada pela participação de adolescente, corrupção de menores majorada pela prática de crime hediondo, roubo majorado pelo concurso de pessoas, tentativa de latrocínio e latrocínio consumado. Bruno Souza Goulart deve responder pelos crimes de associação criminosa majorada pela participação de adolescente, corrupção de menores majorada pela prática de crime hediondo, receptação e posse de arma de fogo.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.