Greve dos caminhoneiros

Ministro do Planejamento pede que brasileiros retomem ao seu dia a dia

“O governo está fazendo todo esforço para superar esse momento conjuntural”, afirma Esteves Colnago.
Fernanda Cruz/Agência Brasil29/05/2018 às 14h30
Ministro do Planejamento pede que brasileiros retomem ao seu dia a diaMinistro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago. (Foto: José Cruz/Agência Brasil)

BRASÍLIA - O ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, afirmou nesta terça-feira (29), ao comentar a greve dos caminhoneiros, que o governo fez uma boa proposta de acordo com a categoria, e o movimento está voltando ao normal.

Leia também:

Paralisação de caminhoneiros acabou, diz ministro-chefe da Casa Civil

Falta combustível em nove aeroportos do país, diz Infraero

“O Brasil não pode continuar parado”, declara Confederação Nacional da Indústria

"É importante que os brasileiros retomem seu dia a dia, que o Brasil volte à normalidade”, disse o ministro. “O governo está fazendo todo esforço para superar esse momento conjuntural”.

Já o secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Flavio Kanczuk, afirmou que a greve dos caminhoneiros prejudica a economia do país. Ele reafirmou o que o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, informou nessa segunda-feira (29) sobre a reorganização de tributos para honrar o acordo feito com os caminhoneiros.

O governo concedeu redução de R$ 0,46 no óleo diesel por 60 dias, ao custo de R$ 9,5 bilhões neste ano aos cofres públicos. O governo espera a tramitação no Senado do projeto de reoneração que isenta o diesel do PIS/Confins (Programa de Integração Social/Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social) para determinar se houve redução de perda fiscal e, a partir de então, buscar alternativas.

Reformas

O ministro do Planejamento disse também que é favorável à aprovação de novas reformas, como a da Previdência, da simplificação de tributos e de uma revisão dos gastos com a administração pública.

“A administração pública é engessada, com um número de carreiras enorme – 300 carreiras –, é muito difícil gerir isso. Salários destoantes da iniciativa privada. Há um conjunto de medidas de médio e longo prazo que precisam ser implementadas”, disse Colnago.

Leia outras notícias em Imirante.com. Siga, também, o Imirante no Twitter, Instagram, curta nossa página no Facebook e se inscreva no nosso canal no Youtube. Envie informações à Redação do Portal por meio do WhatsApp pelo telefone (98) 99209-2383.

© 2019 - Todos os direitos reservados.