Horas na frente do espelho?

Fique atento aos sintomas do Transtorno Dismórfico Corporal

  •  

Psicóloga explica como diagnosticar, prevenir e tratar a disformia; de 7% a 15% dos pacientes dermatológicos e de cirurgia plástica apresentam a doença

0
Muitas vezes o diagnóstico da doença é difícil, pois se confunde com vaidade
Muitas vezes o diagnóstico da doença é difícil, pois se confunde com vaidade (Foto: Divulgação)

São Paulo - O Transtorno Dismórfico Corporal – ou Disformia – é a preocupação excessiva com a aparência, alterações mínimas ou até mesmos inexistentes. De acordo com estudos, de 7% a 15% dos pacientes dermatológicos e de cirurgia plástica apresentam a doença. ”É um transtorno psiquiátrico que o paciente tem uma percepção distorcida sobre alguma parte do corpo. Uma preocupação exagerada com falhas imaginadas na aparência”, explica a psicóloga do Grupo São Cristóvão Saúde, Susi Andrade. Esses pensamentos obsessivos com a imagem interferem nos relacionamentos pessoais e profissionais.

Conforme Susi Andrade, muitas vezes o diagnóstico da doença é difícil, pois se confunde com vaidade. Por isso, é importante ficar atento a alguns sinais: mudanças de hábitos alimentares, isolamento, passar horas na frente do espelho ou evitá-lo demais, frequentemente tocar, medir ou olhar para o detalhe que o incomoda, ler e pesquisar repetidamente sobre o defeito, e tentar escondê-lo, como com roupas, maquiagem ou cirurgias desnecessárias.

“Para prevenir, o suporte familiar é essencial, pois é um transtorno que costuma afetar mais adolescentes, jovens adultos e adultos. Eles precisam trabalhar a autoestima e reconhecer o próprio valor, entendendo que há diversos tipos de corpos”, comenta a psicóloga. O tratamento é feito com acompanhamento psiquiátrico e psicológico, além de orientação da família.

Alguns dos transtornos de distorção de imagem corporal mais comuns são: anorexia, que é quando se evita comer; bulimia, em que a pessoa se sente culpada após comer e usa métodos para compensar o que ingeriu; e a vigorexia, mais comum em homens, que é a preocupação em excesso com ganhar músculos.

“A disformia é bem presente tanto em homens quanto em mulheres, porém as mulheres procuram mais ajuda profissional. Os homens são resistentes e costumam ter vergonha em assumir a condição. Identificar a doença requer bastante experiência dos profissionais da saúde”, finaliza a especialista.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.