Insegurança

Faixa apagada traz risco para pedestres em avenida de SL

  •  

Um dos pontos perigosos fica em frente a uma creche-escola, onde a faixa está quase desaparecendo; quem trabalha na área se vê obrigado a ajudar quem tenta atravessar, para evitar acidentes na via

0
Faixa está apagada na Avenida São Luís Rei de França e, para piorar situação, há desníveis na pista
Faixa está apagada na Avenida São Luís Rei de França e, para piorar situação, há desníveis na pista (Foto: Paulo Soares / O Estado)

Quem precisa atravessar na Avenida São Luís Reis de França enfrenta dificuldades diárias em gran­de parte do trecho, porque em diversos pontos da via, que deveriam apresentar segurança aos pedestres, se tornaram inseguros, pois as faixas estão apagadas.

A exemplo, a faixa de pedestres em frente a uma creche-escola está quase desaparecendo no asfalto, trazendo riscos graves a crianças e responsáveis que precisam usar a via.

Além da falta de sinalização horizontal, sinais de trânsito também são escassos no local, não existindo semáforos, placas de trânsito ou barreiras eletrônicas que limitam a velocidade.

O pintor Adriano Monteiro, que trabalha próximo ao local, contou que o risco de acidentes é constante, e que há muito tempo a faixa não recebe pintura nova ou mesmo completa. A que foi feita recentemente ficou só até a metade.

"Os motoristas não respeitam quem precisa atravessar. Às vezes, nós estamos aqui trabalhando e precisamos ajudar quem precisa ir para o outro lado da via. Temos de levantar o braço ou bater com a mão, para que os veículos parem”, contou Adriano Monteiro.

Comunicada sobre o proble­ma, a Prefeitura de São Luís informou, por meio de nota, que a Secretaria Municipal de Trânsito e Transportes (SMTT) está executando a implantação de faixas de pedestres, dando prioridade para locais próximos às escolas e pontos de grande movimentação. A SMTT frisou ainda que os serviços seguem um cronograma previamente elaborado, e que o ponto citado na reportagem será incluído na programação.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.