Brilho ofuscado

Estátua de João Lisboa, no Centro, precisa de cuidados

  •  
  •  

No ano em que completa um século, em vez de comemoração, monumento tem apenas sujeira

0
Estátua está suja pela ação de pombos e falta de manutenção
Estátua está suja pela ação de pombos e falta de manutenção (Foto: Paulo Soares / O Estado)

SÃO LUÍS - Inaugurada em 1° de janeiro de 1918, completando este ano um século, a estátua de homenagem ao jornalista João Francisco Lisboa apresenta sinais de abandono. Suja e sem traços de que passa por manutenção, a estátua, que é um dos monumentos históricos de São Luís, tem seu brilho ofuscado.

O monumento, que fica na praça homônima, no centro de São Luís, recebeu em 2012 uma placa providenciada pela Academia Maranhense de Letras (AML) e colocada em sua base, na data que marca o bicentenário de nascimento do escritor.

Para a pescadora Isabel Costa, de 40 anos, que mora em Arari, se fosse bem cuidada a estátua chamaria mais atenção. “Ela está toda suja e tira um pouco da beleza dela. Se fosse bem cuidada, seria uma beleza”, relatou.

Outra a destacar que seriam necessários novos cuidados foi a também pescadora Aurideia Costa, de 33 anos. “Infelizmente, as coisas que são públicas parece que têm de ficar assim. Mas eu acho que a população também poderia se juntar e limpá-la, de vez em quando, não esperar só o poder público”, disse ela.

O pesquisador Álvaro Melo, de 77 anos, frisou o quão festejado deveria ser o centenário da estátua e ela que merecia atenção e cuidado. “Primeiro, elogio a O Estado pela sensibilidade de não deixar essa data importante passar em branco. Além isso, devíamos estar festejando esse marco histórico, mas parece que só os pombos fazem questão de estar por perto dela. Essa estátua merece atenção, merece cuidado”, ressaltou.

O Estado entrou em contato com o Prefeitura de São Luís para ter explicações sobre a falta de manutenção da estátua. Até o fechamento desta edição, não houve retorno aos contatos.

SAIBA MAIS

Histórico

João Lisboa foi jornalista, escritor, historiador e crítico político. Ele integrou um grupo de destaque da literatura maranhense no século 19, "Os Atenienses". É patrono das academias maranhense e brasileira de Letras. Ele nasceu no município de Pirapemas, em 2 de março de 1812 e morreu aos 51 anos de idade no dia 26 de abril de 1863, em Lisboa, Portugal.

Em 1912, no qual se comemoraria o centenário de nascimento de João Francisco Lisboa, alguns maranhenses se movimentar no sentido de enaltecer e perpetuar a sua memória. Com esse objetivo, o deputado e escritor Viriato Correia, na sessão de 8 de abril de 1911, apresentou projeto de lei (PL) ao Congresso Legislativo do Estado, autorizando o governo a abrir crédito necessário para a construção de uma estátua, em São Luís, em homenagem ao ilustre jornalista, que seria inaugurada apenas 7 anos depois.

VEJA:

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.