Fotossensores

Funcionamento de radares não foi divulgado, afirmam motoristas

  •  

Condutores de veículos não estão satisfeitos com os novos equipamentos de fiscalização eletrônica instalados nas principais avenidas de São Luís; infrações são cometidas com frequência sem que percebam os radares

0
Avenidas com radares em funcionamento efetivo até o momento:  Av. Daniel de La Touche; Av. Colares Moreira; Av. Professor Carlos Cunha; Av. Marechal Castelo Branco Fonte: SMTT
Avenidas com radares em funcionamento efetivo até o momento: Av. Daniel de La Touche; Av. Colares Moreira; Av. Professor Carlos Cunha; Av. Marechal Castelo Branco Fonte: SMTT (Foto: De Jesus / O ESTADO)

Divulgação ineficiente, falta de explicação, tráfego proibido nos corredores exclusivos para transporte coletivo algumas das reclamações de motoristas em relação aos novos equipamentos de fiscalização eletrônica instalados nas principais avenidas de São Luís, que começaram a registrar infrações desde a última sexta-feira, dia 10.

O militar Cleyson Melo, de 35 anos, reclama que não houve uma divulgação eficaz. “Há lugares que eu até sei onde há radares, mas em outros eu não sei. Caso eu receba uma multa, ficarei surpreso”, disse. Lúcia Cooper, de 42 anos, faz a mesma queixa sobre a implantação dos pardais. “Todo contribuinte tem de saber tudo que está acontecendo na sua cidade. Começamos a ser multados sem saber de nada. O povo merece explicações”, relatou, indignada.

Contestação
De acordo com a Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte de São Luís (SMTT), táxis com passageiros, ambulâncias, viaturas do Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e do próprio órgão podem trafegar nas faixas exclusivas para ônibus, mas o taxista Sebastião Alves, de 30 anos, contesta. “A sinalização é correta, mas acho errado nós taxistas só poder circular nos corredores de ônibus se estivermos com passageiros. Deveríamos ter o direito de circular livremente, porque as vezes estamos indo buscar algum passageiro e nas faixas exclusivas chegamos mais rápido no destino”, justificou-se.

“O corredor exclusivo para o tráfego de transporte coletivo está estreitando mais as avenidas. Para mudar de faixa à direita é muito complicado. Temos de fazer a manobra no meio do fluxo de veículos. Isso vai causar acidentes e engarrafar o trânsito”, disse o autônomo Fábio Pessoa, de 32 anos. A conversão à direita só pode ser realizada no trecho pontilhado dos corredores exclusivos para transporte coletivo.

Os condutores que considerarem as multas aplicadas injustas ou equivocadas devem procurar à Junta Administrativa de Recursos de Infração (Jari), munidos do documento que represente a multa, da CNH, para entrar com recurso.
Durante a reportagem, O Estado flagrou, mais uma vez, na Avenida Marechal Castelo Branco e na Colares Moreira, veículos cometendo infrações, como ônibus fora do corredor exclusivo e carro passeio na faixa exclusiva. Até o fechamento desta edição, a SMTT informou que não foram registradas autuações.

Por meio de nota, a secretaria frisa que, durante 30 dias, nos quais o sistema operou em fase de teste, foi feita ampla divulgação em todos os veículos de comunicação e redes sociais. A SMTT informa que, com relação às autuações, o sistema começou a operar na sexta-feira, 10, e terá um prazo de 15 dias para ser avaliado.

SAIBA MAIS

32 fotossensores foram instalados na capital maranhense, mas de imediato, 10 começaram a funcionar efetivamente registrando as infrações e gerando punição aos condutores. Os radares estão aptos a fiscalizar infrações como o excesso de velocidade, avanço de semáforo e transitar com o veículo na faixa ou em corredores exclusivos para o trafego de transporte público coletivo. Os dispositivos funcionarão todos os dias, entre 6h e 23h. Em pontos considerados críticos, que ainda serão definidos pela Secretaria Municipal de Trânsito e Transporte, o funcionamento será de 24h.

Avenidas com radares em funcionamento efetivo até o momento:
Av. Daniel de La Touche;
Av. Colares Moreira;
Av. Professor Carlos Cunha;
Av. Marechal Castelo Branco
Fonte: SMTT

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.