Estado Maior

Obsessão

  •  

0
Obsessão

Em mais uma de suas demonstrações de total obsessão pelo ex-presidente José Sarney, o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), usou as redes sociais ontem para reclamar que coisas obscuras e esquisitas estão acontecendo para prejudicar o estado.
O comunista não especificou o que há de obscuro e estranho acontecendo e nem o que esses supostos atos vêm causando ao Maranhão.
Talvez Dino esteja falando das três últimas operações da Polícia Federal que atingem diretamente sua gestão e seus auxiliares. Foram operações que envolveram desvio de recursos nas Secretarias de Administração Penitenciária, de Saúde e agora, mais recentemente, na Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap).
Na Administração Penitenciária, a PF, na Operação Turing, apontou movimentação suspeita de mais de R$ 37 milhões. Um secretário-adjunto do governo Dino foi preso como suspeito de integrar o esquema.
Na operação Rêmora, a suspeita da PF é que foram desviados mais de R$ 18 milhões em recursos da Saúde do governo do Maranhão. Envolvido estava o presidente de entidade contratada por Flávio Dino para administrar unidades hospitalares.
A terceira operação é a Draga, que também investiga desvio de verbas em obras no Porto do Itaqui e que envolve um diretor da Emap nomeado pelo governador maranhense.
Será que são essas operações as coisas esquisitas que estão ocorrendo? Será que para Flávio Dino é possível que alguém acredite que as acusações de desvio de verba em seu governo são obras de ficção colocadas em práticas pelo ex-presidente José Sarney?
Se for essa a ideia do comunista, é pretensão demais imaginar que os maranhenses são tão ingênuos para acreditar.

De praxe
É comum no discurso do governador maranhense usar o nome da família Sarney para justificar erros e incompetências da gestão comunista.
Sempre que confrontados com dados ruins, Dino e seus aliados correm para as redes sociais para justificar os problemas na administração estadual.
Mas nunca assumindo os erros e, sim, alegando que herdaram problemas das gestões anteriores.

Nova data
O prefeito de São Luís frustrou as expectativas dos servidores públicos municipais quanto à liberação da primeira parcela do 13º salário.
Edivaldo Holanda Júnior (PDT) havia anunciado, por meio das redes sociais, que a Prefeitura pagaria essa primeira parcela dia 15, no sábado passado.
No entanto, isso não aconteceu. Mais uma vez pelas redes sociais, o prefeito anunciou que o pagamento acontecerá no próximo dia 21.

Sem interesse
O deputado Wellington do Curso (PP) parece ainda não ter desistido de colher assinaturas para a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Saúde.
Ele conseguiu somente três assinaturas: a dele e mais a de Eduardo Braide (PMN) e a de Max Barros (PRP). Wellington precisava de no mínimo 14.
Diante de tantos fatos graves envolvendo desvio de dinheiro público de Saúde no Maranhão, causa estranheza a maioria dos parlamentares decidir não querer a investigação.

Sucateamento
E sobre a Saúde, a deputada Andrea Murad (PMDB), em artigo, criticou a gestão na área do governo de Flávio Dino (PCdoB).
Segundo a parlamentar, a redução dos gastos já reflete nos atendimentos dados aos maranhenses que precisam usar o sistema de saúde estadual.
- A suposta economia que o governo tanto anuncia é reflexo dos péssimos serviços oferecidos no Maranhão, refletindo diretamente na qualidade de vida da população -, disse.

Fim de taxa
Foi aprovado na Câmara Municipal de São Luís, projeto de lei que proíbe a cobrança de valores ou taxas para o restabelecimento do fornecimento de energia elétrica e de água em São Luís.
Se a proposta, que é de autoria do vereador Raimundo Penha (PDT), for sancionada pelo prefeito Edivaldo Júnior (PDT), a taxa de religação fica proibida.
De acordo com o projeto, a proibição da taxa de religação não se aplicará para o consumidor que tiver tido os serviços suspensos por decorrência de fraude comprovada.

Pesquisa
O Instituto Escutec fez pesquisa na cidade de Codó sobre o cenário eleitoral de 2018. No levantamento, a ex-governador Roseana Sarney (PMDB) aparece em primeiro.
Também lidera, segundo os entrevistados de Codó, o ministro Sarney Filho (PV) na corrida pelo Senado.
O governador Flávio Dino aparece com percentual elevado no que diz respeito à desaprovação de seu governo. Neste quesito, 60% dizem desaprovar a gestão comunista.

De segunda hora
Juscelino Filho (DEM) e Cléber Verde (PRB) – um governista convicto – não se interessaram em saber como a queda de Temer poderia beneficiar Dino politicamente.
Eles votaram a favor do presidente na CCJ. Com eles, votou também Hildo Rocha (PMDB), opositor do governador maranhense.
Essa é a segunda vez que os deputados maranhenses mostram que aliança com Flávio Dino chega somente até as fronteiras do estado. No impeachment de Dilma Rousseff isso também foi bem demonstrado.

E MAIS

• Os empresários da área da Construção Civil não terão seus pleitos atendidos pelo governador Flávio Dino.

• Mesmo afirmando que há diálogo com a categoria, o governo não tem qualquer intenção de cancelar os editais de licitação para as obras de R$ 400 milhões como pediram os empresários.

• As críticas do senador Roberto Rocha (PSB) sobre valor do salário mínimo repercutiu mal no Maranhão. É que o senador é acusado de atrasos salariais a seus funcionários.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.

Saiba mais de Estado Maior