Para ficar atento

Como a redução do tempo de sono pode afetar sua saúde

  •  

Além do trabalho, atualmente, os fatores que tiram horas de sono ganharam um novo parceiro: a tecnologia

0
(Foto: Divulgação)

BRASÍLIA - O sono é um mecanismo que deve estar em eterno equilíbrio em nossas vidas. Dormir em demasia é tão prejudicial quanto dormir menos que o necessário. Segundo especialistas, além do trabalho, atualmente, os fatores que tiram horas de sono ganharam um novo parceiro: a tecnologia. A facilidade, sobretudo do smartphone, causou uma dependência em várias escalas.

Contudo, dentre todas estas escalas, elas acabam atrapalhando em demasia o foco em se estabelecer no sono, bem como se concentrar para pegar na fase da sonolência. O cérebro se mantém ativo, em funcionamento, tornando-se um dos principais fatores que prejudicam o sono no horário correto, causando sonolências no dia seguinte, em virtude de uma noite sem descanso.

Mas além da tecnologia, quais os outros fatores que podem desregular o sono? Qual a quantidade certa de horas para dormir? Quando devo procurar tratamento? Segundo estudiosos, cinco problemas que podem afetar o sono.

Ficar se revirando na cama com olhos arregalados é uma consequência. Mas qual será a causa de não conseguir dormir? Além da tecnologia (uso de tablets e smartphones próximo da hora de dormir).

Fique atento a cinco fatores responsáveis por reduzir o tempo de sono:

1) Barulhos desconfortantes

Podemos estar aparentemente cansados ao deitarmos. A sonolência bate, mas, enquanto o corpo não atingir o estágio do sono profundo, barulhos e/ou ruídos podem interferir negativamente.

2) Rotina desregulada

O relógio biológico avisa quando o cansaço bate em definitivo. Ele auxilia na sincronização de milhares de células em nosso organismo em um ciclo de 24 horas diretas, chamado de ritmo circadiano.

3) A temperatura

Seja tanto externa quanto interna; uma influência a outra. O corpo perde cerca de meio grau durante a fase de sono. Por isso, dependendo da temperatura externa, as mãos, os pés e o rosto podem sentir a perda de calor em excesso e causar uma leve sensação de hipotermia, que impede a pessoa de atingir o sono.

4) Você é o que você come

Até mesmo no sono. O consumo exacerbado de café, álcool ou comidas gordurosas são fatores que atrapalham no sono. O café é um estimulante natural, o que ativa as atividades corporais que deveriam relaxar. Já o álcool e as comidas gordurosas seguem no organismo após muito tempo do consumo, devido a digestão e filtragem levarem um tempo para serem concluídas.

5) Mente ocupada

Quando a cabeça está muito cheia, o estresse pode bater. Libertar a mente é essencial. Buscar formas não tecnológicas de distrair a cabeça é essencial. Uma boa leitura ou um jogo de palavras-cruzadas são excelentes opções.

Mas e se não for nenhum destes cinco casos?

O recomendado é designar-se a uma clínica especializada para um exame de polissonografia, para a verificação com profundidade do que pode estar afetando o sono.

A ideia é descobrir a causa externa ou de patologia, para que, o especialista em Medicina do Sono possa definir o melhor tratamento para cada caso.

A polissonografia é um exame bastante simples. Ele faz o registro das ondas cerebrais, os níveis de oxigênio no sangue, além da frequência cardíaca e respiratória. O intuito é descobrir possíveis distúrbios de sono relacionados aos fatores que independem dos anteriores citados.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.