Melhor texto

Maranhenses premiados em concurso nacional de redação

  •  
  •  

Evento foi organizado pela Defensoria Pública da União; além dos estudantes da Colégio Militar Tiradentes, um dos professores recebeu reconhecimento

0
Maranhenses premiados em concurso nacional de redação
Helena Gabriele Cruz, 1º lugar no concurso, e o major Ricardo Bezerra (Foto: Flora Dolores / O ESTADO)

Alunos do Colégio Militar Tiradentes (CMT) receberam na sede da instituição de ensino (na Vila Palmeira), na tarde de sexta-feira, 19, premiações por destaques nas produções textuais que participam em concurso de redação nacional, promovido pela Defensoria Pública da União (DPU) e com o tema “Tráfico de pessoas: diga não”. De acordo com a instituição organizadora, além dos estudantes, um dos professores também foi reconhecido.

A jovem Helena Gabriele Mendes Cruz, de 16 anos e que integra o 2º ano do CMT, conquistou a 1ª colocação no concurso e recebeu um tablet. A estudante abordou, em pouco mais de 30 linhas, a problemática da comercialização de pessoas usando como base os princípios socialistas.

“Penso que, pelo fato de termos uma sociedade que valoriza apenas o capital e sem se preocupar com as pessoas, há uma grande tendência de negociar a mão de obra de qualquer forma, como no caso específico deste tipo de tráfico”, disse.

Organizar este concurso, para a Defensoria, foi uma honra. Saber que a educação pode mudar a vida das pessoas nos move para dar estes incentivos”Quezia Jemima da Silva, Defensora Pública-Chefe da União no Maranhão

A professora de Língua Portuguesa Márcia Cristina Silva (que orientou a vencedora na produção do texto) também foi reconhecida com um tablet. “Fiquei feliz pela Helena. É uma jovem de muito futuro e que aprecia a leitura de uma forma que vai dar a ela uma boa educação”, disse.
Outra estudante

Joice da Silva dos Santos, de 18 anos e estudante do 3º ano do CMT, ficou em segundo lugar no concurso e recebeu uma medalha de honra ao mérito. Ela disse que o tema ajudou na construção da redação. “Como se trata de um tema novo e que, ao mesmo tempo, está em discussão há muito tempo na sociedade brasileira, havia muitas reportagens e outros textos sobre o assunto que me serviram de base para a construção do texto”, afirmou.

Defensora Pública-Chefe da União no Maranhão, Quezia Jemima da Silva, fala durante a cerimônia no Colégio Militar (Foto: Flora Dolores / O ESTADO)

Relembre
O concurso de redação da DPU é promovido desde 2015 e voltado a jovens das escolas públicas. Segundo o órgão, o seletivo é parte do Plano Estratégico da Instituição e visa fortalecer a visibilidade do órgão na defesa dos direitos de quem não pode pagar advogado para ter acesso à justiça.

No ano passado, a detenta Daiane Camelo Duarte – que está cumprindo pena há mais de três anos no Complexo de Pedrinhas - foi a vencedora do concurso de redação da DPU.

“Organizar este concurso, para a Defensoria, foi uma honra. Saber que a educação pode mudar a vida das pessoas nos move para dar estes incentivos”, disse a Defensora Pública-Chefe da União no Maranhão, Quezia Jemima da Silva.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.