Terror

Tiroteio na Champs-Élysées, em Paris, deixa policial e suspeito mortos

  •  

Presidente François Hollande vê ligação com terrorismo. Estado Islâmico reivindicou ação por meio de sua agência; o porta-voz do Ministério do Interior, Pierre-Henry Brandet, disse que uma arma automática foi usada

0
Operação policial na avenida Champs Elysees em Paris, após tiroteio na noite de ontem
Operação policial na avenida Champs Elysees em Paris, após tiroteio na noite de ontem (Foto: Reuters)

PARIS - Um tiroteio ocorreu na Champs-Élysées, mais famosa avenida parisiense, ontem. Um policial morreu e o suspeito de ser o atirador também foi morto. O presidente François Hollande disse estar convencido de que as informações já disponíveis na investigação têm relação com terrorismo.

O sindicato de policiais Unité SGP Police chegou a anunciar a morte de um segundo policial, mas um porta-voz do Ministério Interior disse em seguida que ele não havia morrido. Há dois policiais seriamente feridos, além do que morreu.

O porta-voz do Ministério do Interior, Pierre-Henry Brandet, disse que uma arma automática foi usada para disparar contra os policiais. "Uma arma automática foi usada contra a polícia, uma arma de guerra", disse Brandet à repórteres.

Um sindicato policial disse que um indivíduo num veículo atirou contra uma viatura policial que estava parada num farol vermelho. Uma testemunha contou que um homem saiu do carro e começou a disparar com um "Kalashnikov", dando a entender que o atirador portava uma arma similar a um fuzil.

A correspondente da GloboNews Bianca Rothier, que está na França, informa que o caso ocorreu por volta das 21h locais na altura do número 104 da avenida.

A CNN revelou que a França abriu uma investigação relacionada a terrorismo. O suspeito morto seria conhecido dos serviços de segurança franceses. Há um pedido de prisão para um segundo suspeito que teria chegado à França num trem da Bélgica, diz a Reuters.

Rita Katz, diretora do SITE Intel Group, uma organização de monitoramento de extremistas, disse que a agência Amaq, do Estado Islâmico, afirma que a ação em Paris foi executada por "guerreiros" do grupo terrorista. Um deles se chamaria Abu Yusuf al Belijki ("o belga").

"Esta reivindicação é diferente da maioria das outras da Amaq, indicando que o EI tinha familiaridade com o atacante e, possivelmente, do ataque que viria", analisa a especialista.

Reações

O presidente François Hollande ofereceu condolências à família dos policiais atingidos. "Meus pensamentos vão à família do policial morto e aos parentes dos policiais feridos. Será feita uma homenagem nacional", afirmou pelo Twitter:

O presidente americano Donald Trump, que tinha uma entrevista coletiva marcada pouco depois do momento do incidente em Paris, ofereceu condolências ao povo francês e disse que o caso “parece outro ataque terrorista”.

“O que se pode dizer, isso simplesmente nunca acaba. Temos que ser fortes, temos que ser vigilantes e tenho dito isso há bastante tempo”, comentou Trump durante entrevista coletiva com o primeiro-ministro italiano Paolo Gentiloni na Casa Branca.

Gentiloni também estendeu os cumprimentos aos franceses, lembrando que este é um momento muito delicado, a apenas três dias das eleições presidenciais e oferecendo "palavras de condolências e proximidade".

Eleição

O momento na França é delicado, pois o país realiza neste domingo,23, o 1º turno de uma acirrada eleição presidencial. Pela primeira vez, um candidato da extrema esquerda e um da extrema direita têm chances de chegar juntos ao segundo turno, neste que é o pleito mais imprevisível e marcado por reviravoltas da história recente do país.

O presidente Hollande disse que as forças de segurança estarão em máxima vigilância na votação.

Marine Le Pen, da Frente Nacional (extrema-direita), e Jean-Luc Mélenchon, do movimento França Insubmissa (extrema-esquerda), totalizam mais de 40% das intenções de voto para o primeiro turno do próximo domingo, apontam pesquisas.

Somados aos "nanicos", de esquerda e de direita, candidatos de perfil radical somam praticamente 50% das preferências do eleitor francês, indicam sondagens.

Até mesmo os dois candidatos que representam os partidos tradicionais que dominam a vida política francesa há décadas - Benoît Hamon, do Partido Socialista (ou PS, centro-esquerda), e François Fillon, do conservador Republicanos (centro-direita) - representam as alas mais radicais de seus respectivos campos políticos. Fillon já anunciou que vai cancelar seus eventos de campanha nesta sexta.

Trata-se do pleito mais imprevisível dos últimos 50 anos. Quatro candidatos - Le Pen, Fillon, Mélenchon e o centrista Emmanuel Macron - têm chances de passar para o segundo turno, em 6 de maio.

Os candidatos presidenciais lamentaram o ocorrido. Le Pen e Fillon cancelaram seus atos de campanha que estavam programados para hoje, 21.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.