Desemprego

Maranhão perdeu 6.645 postos de trabalho formais no trimestre

  •  

Segundo informações do Caged, indústria da construção civil e o comércio são os segmentos que registraram maior saldo negativo no primeiro trimestre

0
Maranhão perdeu 6.645 postos de trabalho formais no trimestre

O primeiro trimestre do ano foi negativo para o mercado de trabalho maranhense. Segundo dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados ontem pelo Ministério do Trabalho, o estado encerrou o período com a eliminação de 6.645 postos de trabalho formal (com carteira assinada), queda de 1,40%.

O resultado mostra que a economia maranhense ainda não reagiu, o que tem resultado no nível elevado de demissões. A indústria da construção civil e o comércio são os segmentos que registraram maior saldo negativo no primeiro trimestre, com o fechamento de 3.117 e 2.214 postos de trabalho, respectivamente.

Além dessas duas atividades, com exceção da agropecuária, to­das as demais monitoradas pelo Caged apresentaram queda no emprego formal no estado. O segmen­to de indústria de transformação, por exemplo, perdeu 897 vagas de trabalho no período. O setor de serviços eliminou 260 postos, a administração pública 99 e a extrativa mineral, 72 vagas.

Ranking

Para se ter uma ideia de como a situação do emprego no Maranhão é preocupante, em março, o estado foi a décima unidade de federação que mais demitiu no país, com a eliminação de 2.801 postos de trabalho, queda de 0,59%. O comércio foi o que mais contribuiu para esse dado negativo, com o fechamento de 1.264 vagas.

Dos 52 municípios maranhenses com mais de 30.000 habitantes acompanhados sistematicamente pelo Caged, 36 registraram saldo negativo nos primeiros três meses deste ano. Destaque para São Luís, que perdeu 3.110 vagas.

Depois de São Luís, o município de Açailândia foi o que mais fechou vagas, totalizando 1.184, seguido de Imperatriz (-538 vagas) e Santa Inês (-226), Caxias (-212) e Coelho Neto (-174).

MAIS

Apesar da redução geral, alguns estados registraram bom desempenho. O maior saldo positivo de março foi apresentado pelo estado do Rio Grande do Sul (+5.236 postos), puxado pelos setores da Indústria de Transformação (+5.214 postos) e do Comércio (+1.454 postos), seguido de Goiás (+4.304 postos), devido à expansão do setor da Agropecuária (+2.449 postos).

NACIONAL

(Foto: Graffo)

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.