Eleições 2018

Presidente do TSE pede mudanças no processo eleitoral já em 2018

  •  

Ministro Gilmar Mendes diz que é preciso evitar que figuras como Tiririca possa ser eleito levando junto nomes como Valdemar da Costa Neto e Protógenes Queiroz

0
Ministro Gilmar Mendes, do TSE
Ministro Gilmar Mendes, do TSE (Foto: Arquivo)

BRASÍLIA - O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes, criticou nesta segunda-feira, 20, o atual sistema de eleição por meio de lista aberta de candidatos e com coligações. Em seminário sobre o assunto, em Brasília, o ministro defendeu a reforma do sistema político do país para as próximas eleições.

"No nosso sistema hoje, vota-se em Tiririca e elege-se Valdemar da Costa Neto e Protógenes", disse Mendes.

Para o presidente, é preciso discutir um modelo mais adequado para evitar distorções no processo eleitoral, como candidatos que se elegem com votos de terceiros porque não têm votos para atingir o quociente eleitoral. São os chamados "puxadores de votos" – artistas e personalidades atraídos pelos partidos para obter votos para a coligação.

"O debate não pode ser fechado numa fórmula simples. Nós sabemos o que não queremos. O que nós não queremos? Mais esse sistema que aí está. Esse sistema de lista aberta com coligação, sem nenhum freio, que nos levou a esse estágio em que nós estamos hoje", disse.

O seminário ocorre na sede do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) até amanhã (21) e tem a participação de autoridades internacionais e representantes do Instituto Internacional para a Democracia e a Assistência Eleitoral (Idea).

Mais

O presidente da Câmara defendeu, também, que o sistema eleitoral sofra mudanças antes das próximas eleições, em 2018. “Qualquer modelo dos que existem, não uma nova invenção brasileira, qualquer desses que têm dado certo há anos nos Estados Unidos e na Europa, precisa ser testado no Brasil. O Brasil não pode entrar na próxima eleição com esse sistema eleitoral do jeito que está”, finalizou Maia.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.