Criminalidade

Jovens foram vítimas de 30% das mortes violentas na ilha

  •  
  •  

Levantamento feito por O Estado com base em relatório da Secretaria de Segurança Pública mostrou que dos 34 assassinatos, 10 foram de jovens

0
Diego Ferreira de Souza foi morto no dia 7 de março
Diego Ferreira de Souza foi morto no dia 7 de março (Foto: Divulgação)

SÃO LUÍS - Assassinatos de jovens na Região Metropolitana de São Luís este mês chegou a uma taxa preocupante. Das mortes violentas registradas do início do mês até ontem na ilha, 30% foram cometidas contra jovens com até 20 anos de idade.

O levantamento foi feito por O Estado com base nos dados que constam no relatório do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops), da Secretaria Estadual de Segurança Pública (SSP). Das 34 mortes violentas registradas este mês na Grande São Luís, em 10 casos as vítimas foram jovens de até 20 anos.

Todas as vítimas eram do sexo masculino. Dessas 10 ocorrências, a Secretaria de Segurança classificou nove como homicídios dolosos (quando há a intenção de matar) e uma como lesão corporal seguida de morte. Nove mortes foram registradas na capital maranhense enquanto que uma aconteceu em São José de Ribamar.

Idade

A faixa etária das vítimas varia entre 16 e 20 anos de idade, época essa importante para desenvolvimento dos jovens. Desses casos, três mortes foram nas idades de 19 e 20 anos cada uma; outros dois casos foram de adolescentes com 18 anos; e os outros dois aconteceram nas idades de 17 e 16 anos.

Um dos casos que chamou atenção aconteceu no início do mês no bairro Vila Brasil, na região do São Bernardo. Na ocasião, dois adolescentes um de 16 e outro de 17 anos, foram executado por duas pessoas com três tiros.

Uma testemunha declarou à polícia na época que o jovem de 17 anos estava na sua casa quando recebeu um telefonema. Em seguida, ele foi ao encontro de uma pessoa na Rua do Norte, local onde foi assassinado. Durante o tiroteio, o jovem de 16 anos também foi baleado e morreu. A polícia não informou a motivação do assassinato.

Em termos percentuais, houve um aumento de fevereiro para março da quantidade de jovens executados na ilha. Em fevereiro, por exemplo, das vítimas de mortes violentas, 28% eram jovens de até 20 anos de idade. Ainda naquele mês, adolescentes de 14 e 15 anos foram vítimas da criminalidade. Este mês, até a tarde de ontem, o percentual de jovens assassinados é de 30%.

Vítimas

As últimas pesquisas que mostram estatísticas sobre morte de pessoas jovens em todo o Brasil, como o Mapa da Violência e o Atlas da Violência, apontam que a grande maioria das vítimas é do sexo masculino e mortas por disparos de armas de fogo. Além disso, a maior parte das vítimas são negras.

As estatísticas revelam também que os jovens, vítimas da criminalidade são os mais pobres, que moram nas periferias urbanas e têm baixa escolaridade. Na Região Metropolitana de São Luís, por exemplo, os jovens executados moravam nas áreas periféricas em que é grande a quantidade de crimes, como homicídios e tráfico de drogas, esse último considerado como o principal motivo da violência.

Jovens vítimas da criminalidade este mês em São Luís

Adolescente de 17 anos, vítima de arma de fogo na Vila Brasil.

Adolescente de 16 anos, vítima de arma de fogo na Vila Brasil.

Marcos Vinicius Santos oliveira, 19 anos, vítima de arma de fogo no Bairro de Fátima.

Bruno Gomes da Silva, 19 anos, vítima de arma de fogo, no Coroadinho.

Diego Ferreira de Sousa, 19 anos, vítima de arma de fogo, no Planalto Anil.

Wagner Martins Pereira, 20 anos, vítima de arma de fogo, no Outeiro da Cruz.

Joarbeth Pereira Santos, 20 anos, vítima de arma branca, na Vila Janaína.

Wilderson Pereira Moraes, 18 anos, vítima de arma branca, no Residencial Nova Terra.

Alexon Santos Louzeiro, 18 anos, vítima de arma de fogo, no Bairro de Fátima.

Rafael Silva Amaral, 20 anos, vítima de arma branca, na Cidade Olímpica.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.