Atentado

Homem-bomba deixa mortos em ataque a santuário sufi no Paquistão

  •  

Mais de 70 pessoas morreram. Ataque foi reivindicado pelo grupo Estado Islâmico

0
Vários outros ataques nesta semana, incluindo uma bomba que matou 13 pessoas na cidade de Lahore, no leste do país, foram reivindicados pela facção do Jamaat-ur-Ahrar do Taliban paquistanês.
Vários outros ataques nesta semana, incluindo uma bomba que matou 13 pessoas na cidade de Lahore, no leste do país, foram reivindicados pela facção do Jamaat-ur-Ahrar do Taliban paquistanês. (Foto: Divulgação)

PAQUISTÃO - Um homem-bomba atacou um santuário sufi lotado no sul do Paquistão ontem, matando pelo menos 72 pessoas, informou a polícia, no mais recente de uma onda de ataques a bomba nesta semana.

O Estado Islâmico, grupo militante que tem uma presença pequena mas cada vez mais proeminente no Paquistão, assumiu a responsabilidade pelo ataque, informou a agência de notícias afiliada do grupo Amaq.

O policial Shabbir Sethar disse à Reuters que o número de mortos provavelmente aumentaria. "Pelo menos 72 estão mortos e mais de 150 ficaram feridos", afirmou Sethar por telefone, de um hospital local.

O ataque ao santuário de Lal Shahbaz Qalandar na cidade de Sehwan Sharif é o maior numa onda de atentados a bomba no Paquistão nesta semana, num momento em que o Taliban paquistanês e outros militantes radicais islâmicos realizam ameaças de uma nova ofensiva.

O primeiro-ministro do Paquistão, Nawaz Sharif, imediatamente condenou o que chamou de ataque a Lal Shahbaz Qalandar, na província de Sindh.

Um homem-bomba entrou no santuário enquanto multidões se aglomeravam nesta quinta-feira, segundo comunicado do porta-voz da polícia de Sindh.

Vários outros ataques nesta semana, incluindo uma bomba que matou 13 pessoas na cidade de Lahore, no leste do país, foram reivindicados pela facção do Jamaat-ur-Ahrar do Taliban paquistanês.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.