Habitação

Minha Casa Minha Vida pode se estender a renda de até R$ 9 mil

  •  
  •  

Atualmente, teto da faixa 3 do programa de habitação popular é de R$ 6,5 mil, mas Governo Federal pode ampliar limite de renda mensal das famílias

0
Foto: Reprodução

Famílias com renda mensal de até R$ 9 mil podem passar a ser incluídas no Programa Minha Casa Minha Vida. Pelo menos essa é intenção do presidente Michel Temer, que estuda essa possibilidade. Atualmente, o teto da faixa 3 do programa de habitação popular é de R$ 6,5 mil. O governo deve também ampliar os preços dos imóveis enquadrados no programa em torno de R$ 25 mil. Dessa forma, o preço máximo dos imóveis do MCMV, que vale para as regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal, deve passar de R$ 225 mil para R$ 250 mil.

Essas duas mudanças fazem parte de um "upgrade" no programa de habitação popular, que está sendo estudado pelo governo Temer. Os detalhes devem ser fechados até o final da semana que vem. Segundo uma fonte a par das negociações, a ideia é revigorar o programa para enfrentar a nova realidade econômica.

As últimas alterações desses valores tinham sido feitas em 2015, quando a ex-presidente Dilma Rousseff anunciou a terceira etapa do programa de habitação popular. As novas regras devem ser anunciadas em fevereiro para que o programa esteja rodando a todo vapor a partir de abril. "Vamos abrir uma nova faixa de brasileiros que possam ter acesso ao programa", disse um integrante do governo. "Vamos dar mais subsídios nas faixas de juros para dar um empurrão maior no acesso aos imóveis e estimular mesmo a produção", completou, mas com "absoluta responsabilidade", ressaltou.

Preocupado com a retomada da economia, Temer aposta em um pacote de medidas para a construção civil para impulsionar a atividade. A indústria da construção apresentou ao Ministério do Planejamento um conjunto de ações que pode aumentar as contratações das faixas 2 e 3 do MCMV de 250 mil unidades para 400 mil unidades em 2017. O governo vai cobrar o setor o cumprimento dessas metas. A meta de construção da faixa 1 é de 170 mil unidades e da faixa 1,5 é de 40 ml unidades.

São Luís

Sorteados do programa em São Luís, que possuem pendências na documentação, devem comparecer, até o dia 31 deste mês, na Central de Central de Atendimento de Habitação, localizada na Avenida Marechal Castelo Branco, nº 59, bairro São Francisco. São mais de mil famílias que precisam atualizar os dados, caso contrário poderão ficar sem receber o imóvel. A relação contendo os nomes dos sorteados com documentação pendente pode ser acessada no site saoluis.ma.gov.br.

Entre os documentos a serem entregues pelos convocados estão a carteira de identidade (RG), com no máximo 10 anos da data de emissão do proponente e cônjuge; cópia e original do CPF do proponente e cônjuge; cópia e original da certidão de casamento ou nascimento ou declaração de união estável, ou certidão de óbito quando houver; caso haja separação, cópia e original da certidão averbada da separação ou declaração de separação de corpos; atestado médico com espécie grau e CID; Carteira de Trabalho do proponente e cônjuge; e os três últimos comprovantes de renda do proponente e cônjuge e, se menor de idade, a emancipação em cartório.

Leia mais notícias em OEstadoMA.com e siga nossas páginas no Facebook, no Twitter e no Instagram. Envie informações à Redação do Jornal de O Estado por WhatsApp pelo telefone (98) 99209 2564.